Um ano depois, americanos estão mais otimistas

Um ano depois dos atentados terroristas de 11 de setembro, os americanos estão mais patriotas, gastam mais tempo com suas famílias e demonstram um alto grau de otimismo com relação ao futuro de seu país, segundo pesquisas de opinião divulgadas hoje. De acordo com os levantamentos, este sentimento positivo é verificado ao mesmo tempo em que aumentam as dúvidas sobre a eficácia da campanha contra o terrorismo e que se mantém o temor de novos ataques.Segundo uma pesquisa feita pela ABC News, oito em cada dez americanos estão mais otimistas sobre o futuro de seu país e muito mais ainda com relação ao seu próprio futuro. Mais de oito em cada dez americanos afirmaram ser essencial passar mais tempo com suas famílias, acima dos seis em cada dez que se sentiam assim na pesquisa anterior. Segundo o mesmo levantamento, sete em cada dez afirmam se sentir "extremamente orgulhoso" de ser americano - metade da taxa verificada no levantamento anterior, realizado em janeiro de 2001.A aprovação do presidente George W. Bush está em 71% na pesquisa da ABC News e em 66% num levantamento realizado pela Fox News/Opinion Dynamics, resultados acima das últimas pesquisas, que davam uma taxa de aprovação menor que 60%.De acordo com uma pesquisa realizada pela CNN-USA Today-Gallup, quase quatro em cada 10 americanos temem que eles ou membros de suas famílias sejam vítimas de terrorismo - um número menor que os seis em cada 10 verificados há um ano.Dois terços dos pesquisados pela ABC News afirmam temer a ocorrência de mais ataques, o que representa uma leve queda com relação a uma pesquisa realiza pouco depois dos atentados. Com relação à guerra contra o terrorismo, apenas 36% dos americanos ouvidos pela pesquisa da Fox afirmaram que os EUA estão vencendo a batalha.A pesquisa da ABC News foi realizada com 1.011 adultos de 5 a 8 de setembro e a da CNN-USA Today-Gallup, que ouviu 1.003 adultos, foi feita entre 2 e 4 de setembro. A da Fox News ouviu 900 eleitores registrados entre 8 e 9 de setembro. Todas as três pesquisas têm uma margem de erro de três pontos porcentuais - para mais ou para menos.Veja nosso especialVeja o especial The New York Times-O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.