Jeenah Moon/Reuters
Jeenah Moon/Reuters

Um em cada cinco nova-iorquinos tiveram coronavírus, segundo estudo

Os testes de anticorpos foram realizados aleatoriamente em 3 mil clientes de supermercados do Estado de Nova York nesta semana

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2020 | 17h50

NOVA YORK - Mais de um em cada cinco nova-iorquinos (21,2%) já foi infectado com o novo coronavírus, de acordo com resultados preliminares de testes de anticorpos entre 3 mil pessoas no Estado de Nova York, informou o governador Andrew Cuomo nesta quinta-feira, 23.  

Os testes em massa - testes de diagnóstico e anticorpos - são considerados essenciais para suspender as ordens de confinamento e reabrir a economia nas diferentes regiões dos Estados Unidos. 

A presença de anticorpos para a doença da covid-19 significa que a pessoa já foi infectada pelo vírus e pode estar imune, para que possa voltar ao trabalho sem adoecer novamente. 

Os testes de anticorpos foram realizados aleatoriamente em 3 mil clientes de supermercados do Estado de Nova York nesta semana, disse Cuomo em entrevista coletiva. 

Quase 14% deram positivo, acrescentou o governador. Na cidade de Nova York, 21,2% deram positivo. 

Esses números mostram que 2,6 milhões de pessoas no Estado e cerca de 1,7 milhão na Big Apple já teriam contraído o vírus. 

Os números superam em muito o número atual de casos confirmados no Estado de Nova York, o mais atingido pela pandemia nos Estados Unidos, com 263.460 casos e mais de 15,5 mil mortes. "Eu acho que é vital que todo Estado faça primeiro um estudo de base para ver onde está em termos de infectados", alertou Cuomo. 

Há incerteza sobre a precisão desses testes e a amostragem é pequena. Cuomo, no entanto, observou que, se os dados estiverem corretos, a taxa de mortalidade do vírus no Estado seria de apenas 0,5%, muito abaixo da média americana e dos países europeus mais afetados que baseiam seus números em casos confirmados. / AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.