Um empresário é escolhido como novo líder da Libéria

O governo e os rebeldes da Libéria escolheram nesta quinta-feira um empresário da capital para liderar o primeiro governo do pós-guerra no país, pondo fim às negociações de paz em Gana que se estenderam por 78 dias. O principal mediador, o general da reserva Abdulsalami Abubakar, anunciou oficialmente a escolha de Gyude Bryant, que supervisionará o cumprimento do acordo para um governo compartilhado que deverá funcionar por dois anos, até a convocação de eleições. As partes em conflito se retirarão, comprometendo-se a respeitar o pacto. Bryant deverá receber o poder em outubro das mãos do sucessor designado pelo ex-presidente Charles Taylor, o ex-vice-presidente Moses Blah. Como parte do acordo de paz, os rebeldes e o atual governo provisório escolheram o novo líder a partir de uma lista elaborada pelos partidos políticos e organizações civis em deliberações que terminaram na madrugada desta quinta-feira. Entre três candidatos ao cargo, Bryant, de 54 anos, um comerciante de equipamentos pesados usados na exploração de minas e nos portos, foi considerado o mais capacitado para obter consensos. Embora não militasse na política, em 1997 uniu seis partidos na tentativa de impedir que Taylor chegasse à presidência após a devastadora guerra civil entre 1989 e 1996. ?Estive ali (na Libéria) durante todos esses conflitos e me considero um reconciliador?, declarou o recém-eleito esta manhã à Associated Press. Prometeu cooperar estreitamente com as Nações Unidas e outras agências internacionais durante o governo de transição, uma de cujas prioridades será desarmar os combatentes - muitos deles crianças e adolescentes armados com fuzis AK-47. Outras prioridades são o restabelecimento da ordem e de serviços básicos como o de eletricidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.