Um índice com as principais reações ao início da guerra

Rússia, Alemanha, França, Brasil, Suíça ? chefes de Estados dos mais diversos países fizeram duras críticas aos Estados Unidos, com o início da guerra contra o Iraque. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sugeriu uma reunião de líderes mundiais; o Iraque aprovou a idéia e pediu à ONU que o plano seja adotado. Em diversas cidades do mundo, o povo saiu às ruas para protestar contra a guerra e pedir paz. Os Estados Unidos reagiram com uma conta singular: somaram o total das populações de 35 nações que, segundo as próprias autoridades americanas, apóiam a guerra, e chegaram à conclusão de que as bombas têm o apoio de 1 bilhão de pessoas. Veja um índice com as principais reações ao início da guerra ao Iraque: » Tensão marca reunião dos líderes europeus » Putin, da Rússia, exige fim imediato de ataques » Suíça proíbe uso de espaço aéreo por aviões militares » França pede proteção para civis iraquianos » Chirac teme catástrofe humanitária no Iraque » Mundo vive momento triste, diz União Européia » Governo iraquiano quer que ONU adote proposta de Lula » Lula lamenta uso da força contra Iraque sem autorização da ONU » Íntegra do discurso de Lula sobre a guerra no Iraque » Brasil lamenta início da guerra » México afirma ser contra a guerra » Alemanha se declara consternada com início do ataque » Comissário da ONU faz apelo pela vida de civis » Vaticano diz que papa está rezando pelo povo iraquiano Entre os árabes: » Para o governo do Irã, o ex-inimigo de Saddam, guerra é ilegítima » Autoridades do Islã debatem valor de jihad contra os EUA » Hamas pede união muçulmana contra os EUA » Árabes temem que os EUA ataquem outros países » Líder paquistanês conclama à guerra santa contra os EUA Nas ruas: » Protestos contra a guerra deixam a Itália semiparalisada » Manifestantes entram em choque com polícia na Jordânia » O mundo protesta contra a guerra. Os EUA também. » Manifestantes protestam pelo mundo contra a guerra » Manifestantes protestam pelo mundo contra a guerra Os que defendem o ataque: » Ataque tem apoio de 1 bilhão de pessoas, dizem EUA » Parlamento da Turquia autoriza uso de espaço aéreo » Senado australiano determina retorno imediato de soldados » Japão apóia ataque e promete ajuda a refugiados » Atuamos dentro da lei, defende o espanhol Aznar

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.