Uma em 4 mulheres é vítima de violência nos EUA

Uma em cada quatro mulheres nos Estados Unidos disse que foi espancada, chutada ou sofreu outros tipos de violência da parte de seus parceiros íntimos, segundo uma pesquisa realizada pelo governo e divulgada nesta quarta-feira. O levantamento mostra que o número de mulheres vítimas da violência é maior do que o previamente relatado.

AE, Agência Estado

14 de dezembro de 2011 | 17h07

Um especialista disse que as estimativas sobre estupro ou tentativa de estupro são "extremamente altas", já que uma mulher em cada cinco afirmaram ter sido vítimas desse tipo de crime. Cerca de metade desses casos envolvem parceiros íntimos. Mas defensores dos direitos das mulheres dizem que os estupros não eram relatados no passado e que os números são plausíveis. Nenhuma documentação foi exigida para verificar as afirmações das mulheres, que fizeram as declarações de forma anônima.

A pesquisa do Centro para Prevenção e Controle de Doenças (CDC) foi feita por telefone, de forma aleatória, com cerca de 9 mil mulheres.

Um porcentual equivalente a 29 mil mulheres disse ter sofrido violência grave e assustadora do namorado, marido ou parceiro. Isso inclui ser sufocada, espancada, esfaqueada, jogada contra algo ou ter os cabelos puxados. Esse número sobe para 36 milhões quando tapas e empurrões são incluídos na lista.

Quase metade das mulheres que afirmaram ter sido vítima de estupro ou tentativa de estupro disseram ter 17 anos ou menos quando o crime ocorreu.

Vários dos números do CDC são maiores do que os aferidos por outras fontes. O estudo do CDC sugere que 1,3 milhões de mulheres sofreram estupro, tentativa de estupro ou foram forçadas a ter relações sexuais no ano anterior, número que é sete vezes maior do que o encontrado por uma pesquisa domiciliar do Departamento de Justiça, realizada no ano passado.

Pode haver várias razões para as diferenças, dentre elas como as pesquisas foram realizadas, quem escolheu participar e como "estupro" e outros tipos de agressões foram definidas ou interpretadas, disse Shannan Catalano, estatística do Escritório de Estatísticas da Justiça. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAmulheresviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.