EFE/EPA/AKINTUNDE AKINLEYE
EFE/EPA/AKINTUNDE AKINLEYE

Uma em cada três crianças da Nigéria não tem água suficiente para necessidades básicas, diz Unicef

Organização aponta ainda que 86% dos nigerianos não tem acesso a uma fonte de água de qualidade; consequências na educação e saúde são significativas

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2021 | 10h12

ABUJA, Nigéria - Uma em cada três crianças não tem água suficiente para satisfazer suas necessidades diárias na Nigéria, país mais populoso da África, alertou o Fundo das Nações Unidas Para a Infância (Unicef) nesta segunda-feira, 22. O levantamento foi divulgado em um comunicado que marca também o Dia Mundial da Água.

"Mais de 1,42 bilhão de pessoas em todo o mundo, incluindo 450 milhões de crianças, vivem em áreas em que o acesso a água é um problema importante ou de primeira ordem", segundo os últimos dados coletados pela Unicef.

Esses números "são especialmente preocupantes" na Nigéria, onde 26,5 milhões de crianças - 29% das crianças do país - não têm acesso suficiente a água para cobrir suas necessidades diárias.

Além disso, 86% dos nigerianos não tem acesso a uma fonte de água de qualidade. As consequências na educação e saúde das crianças são significativas.

"Quando os poços secam, as crianças faltam a escola para ir buscar água. Quando as secas reduzem o fornecimento de alimentos, as crianças sofrem desnutrição e atraso no crescimento", disse Peter Hawkins, representante da Unicef na Nigéria.

"Quando há inundações, as crianças são vítimas de doenças transmitidas pela água. E quando não tem água, as crianças não podem lavar as mãos e se proteger das doenças", continua.

"A crise mundial da água não está a caminho: já está aqui, e as crianças são as primeiras vítimas", alertou Hawkins.

No Afeganistão, Etiópia, Paquistão e Sudão, entre outros, o acesso das crianças a água também é muito preocupante, de acordo com o comunicado./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.