Uma em cada três meninas tanzanianas sofrem abuso sexual, diz ONU

Estudo da organização e governo do país afirma que, entre meninos, a porcentagem de vítimas é de 13,4%.

BBC Brasil, BBC

10 de agosto de 2011 | 13h30

Cerca de um terço das meninas da Tanzânia passam por alguma experiência de violência sexual antes de completar 18 anos, segundo uma pesquisa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

A pesquisa afirma ainda que entre meninos, 13,4% sofreram violência sexual.

A forma mais comum de abuso é o toque de forma sexual (no qual a criança é agarrada, tocada ou acariciada de forma inapropriada ou beliscada) seguido de tentativa de manter relação sexual.

Andy Brooks, do Unicef, disse à BBC que a pesquisa, realizada em uma parceria entre o fundo da ONU e o governo da Tanzânia, é uma das mais amplas a respeito do assunto e mostrou que o governo do país está pronto para enfrentar o problema.

"A Tanzânia é o primeiro país que teve a coragem de expor o alcance real do abuso de meninos e meninas", afirmou.

Denúncia

A pesquisa também descobriu que entre aqueles que tiveram relações sexuais antes dos 18 anos, 29,1% das mulheres e 17,5% dos homens relataram que foram obrigados a ter a primeira relação.

Segundo o Unicef, isto significa que eles foram forçados ou coagidos a manter a relação sexual.

O ministro da Educação da Tanzânia, Shukuru Kawambawa, disse que o governo está decidido a acabar com o abuso sexual no país.

O ministro afirma que serão estabelecidos mecanismos de denúncia para as vítimas de abuso e o governo vai pedir que professores cuidem de crianças mais vulneráveis.

Segundo Andy Brooks, pesquisas parecidas serão feitas no Quênia, Ruanda, Malauí, Zimbábue e África do Sul.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
áfricatanzâniaabuso sexualonu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.