Yonatan Sindel/Pool via AP
Yonatan Sindel/Pool via AP

Israel dividido entre Netanyahu réu e primeiro-ministro; leia análise

País se aproxima de uma crise constitucional sem precedentes, sublinhada por simbolismo de dois processos que se desenrolam em paralelo

Isabel Kershner*, The New York Times, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2021 | 05h00

Após quatro eleições inconclusivas em dois anos, Binyamin Netanyahu, o primeiro-ministro mais longevo de Israel, acusado de suborno, fraude e quebra de confiança, e que nega irregularidades, continua a ser a figura mais polarizadora no cenário político. Mas ele também é o líder do maior partido de Israel, que obteve a maioria dos assentos nas eleições nacionais no mês passado.

Com o futuro de Netanyahu em jogo, analistas dizem que sua melhor aposta para superar seus problemas jurídicos é permanecer no poder e obter algum tipo de imunidade.

Mas como nem o bloco de partidos pró-Netanyahu nem o grupo de oposição a ele conseguiam reunir uma coalizão que pudesse comandar uma maioria parlamentar viável, Israel parecia paralisado, incapaz de perdoá-lo totalmente ou removê-lo de cena.

“Netanyahu e seus apoiadores não alegam sua inocência, mas estão atacando a própria legitimidade do julgamento e do sistema judicial”, disse Shlomo Avineri, professor emérito de ciência política na Universidade Hebraica. “É direito do primeiro-ministro ir ao tribunal e se declarar inocente”, disse ele. “Mas sua defesa é um ataque à legitimidade da ordem constitucional.”

Netanyahu acusa a promotoria de agir ilegalmente apagando gravações, ignorando depoimentos que não cabiam em sua tese e chantageando testemunhas, entre outras coisas. “É assim que eles tentam derrubar um primeiro-ministro forte da direita. É assim que se parece uma tentativa de golpe administrativo.”

Israel está se aproximando de uma crise constitucional sem precedentes, disse o professor Avineri, cuja profundidade é sublinhada pelo simbolismo dos dois processos que se desenrolam em paralelo.

O drama do Estado de Israel x Binyamin Netanyahu gira em torno de três casos em que Netanyahu é acusado de negociar favores oficiais em troca de presentes de magnatas ricos. Os presentes variavam de entregas de charutos caros e champanhe até o menos tangível de cobertura lisonjeira nos principais veículos de notícias.

O primeiro caso a ser julgado, conhecido como Caso 4000, é o de maior peso e o único em que ele foi acusado de suborno.

De acordo com a acusação, Netanyahu usou seu poder como primeiro-ministro e ministro das comunicações na época para ajudar Shaul Elovitch, um magnata da mídia e amigo, em uma fusão de negócios que rendeu dezenas de milhões de dólares a Elovitch. Em troca, Walla, um site de notícias hebraico líder de propriedade da empresa de telecomunicações de Elovitch, forneceu à família Netanyahu uma cobertura favorável, especialmente na época das eleições.

De acordo com a acusação, Netanyahu, listado como "Réu nº 1", "]fez uso indevido do grande poder governamental a ele confiado, exigindo favores dos proprietários dos meios de comunicação para promover seus assuntos pessoais, incluindo seu desejo de ser reeleito.

O processo político recente em Israel, segundo analistas, fazia pouco para dissipar a sensação de que Israel permanecia preso em um ciclo de incerteza política e instabilidade.

Uma após a outra, delegações dos 13 partidos eleitos para o Knesset vieram na segunda-feira para anunciar qual candidato endossariam para formar o próximo governo.

Netanyahu, cujo partido Likud ganhou 30 cadeiras no Parlamento de 120 cadeiras, recebeu 52 recomendações de seus aliados de extrema direita e ultraortodoxos. Embora sem a maioria de 61, isso foi mais do que seus oponentes receberam, dando a ele uma clara vantagem.

Os 90 assentos parlamentares restantes são divididos entre uma dúzia de outros partidos. O partido centrista de Yair Lapid, Yesh Atid, ficou em segundo lugar, com 17 cadeiras. Todos os outros resultaram em vitórias de um dígito.

O impasse político foi agravado pela recusa de Netanyahu em se afastar durante o julgamento e pela incoerência do campo anti-Netanyahu, formado por partidos com agendas conflitantes. Alguns descartaram a possibilidade de participar de um governo com outros.

O grande número de partidos é um sinal de que “a coesão israelense está se desfazendo”, disse Yedidia Stern, presidente do Instituto de Política Popular Judaica em Jerusalém.“A sociedade israelense é muito fragmentada”, disse ele. “A falta de coesão na sociedade israelense não desaparecerá só porque uma eleição acontece de um lado para o outro.”

* É JORNALISTA

Tudo o que sabemos sobre:
Binyamin NetanyahuIsrael [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.