Uma multa para os noivos reais da Dinamarca

?Acho que a multa para estes culpados de quebrar as regras será da ordem de 40 marcos para a cidade e 40 marcos para o monarca?, determinou sorrindo o prefeito. ?Suponho que possa negociar??, retrucou Frederik, o príncipe herdeiro da Dinamarca. Tudo brincadeira. Em sua visita, hoje, à Prefeitura de Copenhague, em companhia da noiva Mary Donaldson, ele havia comentado que cerveja e vinho serão servidos na festa de seu casamento, sexta-feira. Isto depois de, falando ao casal, o prefeito Jens Kramer Mikkelsen relembrar as severas normas que, no século 16, o rei Christian III impôs ao casamento ? plebeus poderiam convidar apenas 12 casais e os nobres, 24, para sua festa. ?Não é necessário manter essa regulamentação para o casamento de maio de 2004?, concedeu Mikkelsen sorrindo, antes de entregar-lhes o presente da cidade: taças para jantar de cristal, com suas iniciais gravadas, suficientes para 60 pessoas. O herdeiro do trono confessou que havia violado também essas regras de seu antecessor. Cerca de 800 pessoas, entre nobreza e dignitários, foram convidados para o casamento. A lista oficial ainda não foi divulgada, mas até agora o príncipe herdeiro do Japão, Naruhito; o príncipe britânico Edward e sua mulher, Sophie; o governador geral da Austrália, Michael Jeffrey e o governador da Tasmânia, Richard Butler; e a primeira dama da França, Bernadette Chirac, já disseram que irão à cerimônia e à festa que se seguirá, no Palácio de Fredensborg, a 35 quilômetros de Copenhague. Depois do banquete que, ontem, deu início oficial às festividades do casamento real, Frederik e Mary Donaldson receberam, hoje de manhã, cumprimentos bem menos formais: quando o príncipe herdeiro da Dinamarca e sua noiva australiana apareceram na sacada da Prefeitura de Copenhague, centenas de crianças vestidas como príncipes e princesas os saudavam. ?Hurrah! Parabéns pelo casamento?, gritavam imitando os pais, os meninos e meninas em fantasias rosa e amarelo, com tiaras e coroas na cabeça e agitando bandeirinhas com as cores da Dinamarca e da Austrália. A Dinamarca está em meio a três dias de comemorações antes do casamento, sexta-feira, de Mary e Frederik, que a conheceu num bar durante as Olimpíadas de 2000 em Sydney. Agências turísticas organizaram a festa de hoje para reunir 1.500 crianças vestidas de aristocratas, em um desfile da catedral luterana de Nossa Senhora, onde se dará o casamento, à prefeitura. Em vez disso, 5.000 compareceram. Uma delas, Rasmus Saetterup-Hansen de seis anos, leu uma mensagem sob o título Parabéns, Frede e Mary tomando a liberdade de chamar o príncipe pelo apelido comum aos Frederiks. ?Ela é uma graça e ele é legal?, disse Rasmus de Frederik e Mary, que se tornará a primeira australiana a entrar na linha de sucessão do trono de rainha consorte. Outra criança, Jacob Amtorp, de oito anos, notou com um certo ar filosófico: ?É bom que Frederik finalmente tenha encontrado uma esposa.? O príncipe está com 35 anos e sua noiva, 32. Os noivos, rodeados pela rainha Margrethe e a família Donaldson, haviam sido recebidos pelo prefeito Mikkelsen nas escadarias da prefeitura, no centro da cidade. Dentro da prefeitura, os funcionários fizeram fila para cumprimentar Mary e Fredrik depois que dois homens, em vestes vickings, incluindo o capacete com chifres, tocaram trombetas à sua chegada. Enquanto os noivos almoçavam, na prefeitura, cinco bandas jovens de metais e a Derwent Valley Concert Band, da Tasmânia, tocaram. ?É muito legal que ela seja de Tassie?, declarou Jenae Clark, de 17 anos, um dos membros da banda, em referência ao apelido da ilha natal da futura princesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.