Efe
Efe

Uma pessoa morre e outra fica ferida no leste da Líbia

País realiza primeira eleição após a queda de Kadafi neste sábado; colégios eleitorais foram sabotados

AE-AP, Agência Estado

07 de julho de 2012 | 13h05

Atualizado às 17h07

TRÍPOLI - Uma pessoa morreu e outra ficou ferida neste sábado, 7, quando desconhecidos atiraram contra um colégio eleitoral no leste da Líbia. O ataque aconteceu na cidade de Ajdabiya.

Na mesma região, atos de sabotagem também impediram a abertura de 101 locais de votação no país, onde se realiza a primeira eleição após a queda do ditador. "Foram abertos 94% dos postos de votação", disse o presidente da comissão eleitoral líbia, Nuri al-Abbar, ressaltando que a votação ocorria normalmente em 1.453 dos 1.554 centros de votação.

Veja também:

link Líbios vão em massa às urnas e 95% das seções funcionam bem

link Livres do regime de Kadafi, líbios vão às urnas pela primeira vez desde 1954

tabela Um ano de Primavera Árabe, a primavera inacabada

"Alguns dos postos não abriram. Em virtude de problemas de segurança, o material logístico não conseguiu chegar até eles", disse. "Estamos, agora, lidando com isso, enviando material para os postos para que eles comecem o processo de votação", afirmou o Al-Abbar, em declarações feitas cinco horas após o começo do processo.

Ele afirmou que a comissão estudava a possibilidade de prolongar o prazo limite da votação das 20 horas (horário local) para as 24 horas nos locais afetados. A eleição na Líbia para o Congresso Nacional Geral marca a primeiro pleito nacional após quatro décadas do regime ditatorial de Kadafi, que foi destituído depois de uma revolta popular no ano passado.

"O comparecimento é excelente, a despeito das temperaturas altas", disse Abbar, com base nos dados preliminares sobre a presença nos postos. Ele disse ainda que o processo de votação no exterior transcorria tranquilamente.

Boa parte dos problemas estava concentrada no leste do país, berço do levante que tirou Kadafi do poder em 2011 e que concentra facções que ameaçavam boicotar a eleição.

As informações são da Associated Press

Mais conteúdo sobre:
Líbiaeleiçãosabotagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.