Uma surpresa na casa nova. Há partes de um corpo no jardim

Ninguém contou a Alan e Susan Sykes, que estavam comprando a casa: ela fora cenário de um crime horrível há alguns anos. Agora, eles estão movendo uma ação para tentar receber uma indenização por danos, conforme disse hoje ao Tribunal de Apelação de Londres o advogado do casal, Clive Freedman.Alan e Susan só descobriram onde estavam morando, contou o advogado, quando assistiam um documentário de TV sobre um homem que havia assassinado cruelmente sua filha adotiva de 13 anos e escondido os pedaços do corpo no jardim da casa da família, em 1984.?Saber que ainda há partes do corpo na casa, que não foram descobertas, foi particularmente horrível?, disse Freedman.O casal não pôde mais viver, ele assegurou, nessa casa em Stillwell, perto de Wakefield, no norte da Inglaterra, que eles compraram por 87.000 libras (R$ 452.400,00), em dezembro de 2000. Eles a vendaram mais tarde, sofrendo uma perda de 8.000 libras (R$ 40.600,00).Os Sykes estão acionando por danos James e Alison Taylor-Rose, que lhes venderam a propriedade. Eles já perderam em primeira instância, quando o juiz considerou que os antigos proprietários não tinham obrigação de contar a história.Mas Freedman apelou, argumentando que, neste caso, os vendedores tinham obrigação de revelar que a casa pertencera ao dr. Samson Perera, um biólogo da Universidade de Leeds, que matou a filha adotiva, Nilanthie.Perera recebeu uma sentença de prisão perpétua e sua mulher, Dammika, uma professora, está na prisão por ajudá-lo a esconder o crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.