Uma tensa emboscada para Montesinos

Depois de uma tensa emboscada, a polícia secreta venezuelana capturou o homem mais procurado da América do Sul, o ex-chefe de espionagem do Peru Vladimiro Montesinos, acusado de amealhar um fortuna com o tráfico de drogas e de armas. A captura, anunciada neste domingo pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, pôs fim a uma caçada de oito meses a um homem que muitos peruanos dizem ter governado efetivamente seu país por anos, usando uma rede de corrupção.Seus escândalos provocaram em novembro a queda do presidente peruano Alberto Fujimori. Montesinos foi capturado dentro de um esconderijo em Caracas na noite de sábado, anunciou neste domingo um orgulhoso Chávez, no 8º Conselho Presidencial Andino na cidade de Valencia, 100 quilômetros a oeste de Caracas. "Felizmente, capturamos Vladimiro Montesinos vivo", disse Chávez, acrescentando que o chefe da espionagem seria deportado para o Peru "mais rápido do que o canto de um galo". A deportação deve ocorrer "em 24 horas", afirmou neste domingo o ministro do Interior da Venezuela. No Peru, a televisão divulgou que dois jatos da Força Aérea haviam levantado vôo, aparentemente em direção a Caracas. Montesinos, 55 anos, estava sendo mantido no quartel-general da Direção de Inteligência Militar (DIM) em Caracas. Soldados fortemente armados cercavam o prédio, que tinha as cortinas de suas janelas fechadas. Chávez disse que Montesinos foi capturado alguns dias após sua presença ser detectada em Caracas. O escândalo que levou à renúncia do presidente peruano Alberto Fujimori foi deflagrada pela divulgação de um vídeo no qual Montesinos aparecia oferecendo suborno ao congressista Luis Alberto Kouri, de oposição, para que ele mudasse de lado, dando maioria ao governo no Parlamento. A captura de Montesinos encerrou um capítulo de atrito entre Lima e Caracas, no qual foram feitas acusações de que a eminência parda do ex-presidente peruano Alberto Fujimori encontrava-se sob proteção no território venezuelano. Chávez evocou os ataques sofridos por seu governo pelo caso Montesinos ao anunciar sua prisão. "Ontem (sábado) à noite conseguimos capturar Montesinos, esse senhor misterioso, que eu nem conheço e só vi nas fotos publicadas nos jornais. Mas contaram histórias sobre isso", disse a seus colegas andinos. "Que eu o mantinha escondido, que estava aqui, ali, e eu sempre disse que se estivesse aqui o enviaríamos de volta a seu país. Bem, agora está preso, e o enviaremos para o Peru", acrescentou. O presidente eleito do Peru, Alejandro Toledo, havia feito na quinta-feira uma visita-relâmpago a Lima e Chávez se havia comprometido a cooperar para localizar o foragido ex-assessor. A especulação sobre a presença de Montesinos na Venezuela remonta desde dezembro, quando versões da imprensa informaram que ele tinha ido a Caracas para fazer uma cirurgia plástica para mudar de fisionomia. "Aparentemente, ele não fez nenhuma cirurgia plástica", disse neste domingo o ministro da secretaria da presidência, Diosdao Cabello, desmentindo as versões da imprensa venezuelana. Cabello revelou que Montesinos foi capturado no sábado à noite na zona do 23 de Fevereiro, um dos bairros mais pobres da capital, a menos de um quilômetro do palácio presidencial de Miraflores. No Peru, Montesinos enfrenta acusações que vão de lavagem de dinheiro a corrupção e organização de esquadrões da morte. O Peru tinha oferecido uma recompensa de US$ 5 milhões por informações que levassem à captura de Montesinos, que teria depositado milhões de dólares em bancos suíços. "Sabíamos ontem de manhã que estava em curso uma operação para capturar Montesinos e estávamos aguardando ansiosamente as notícias", afirmou o presidente peruano, Valentin Paniagua, na cidade sulista de Arequipa, onde vistoriava os danos causados por um terremoto. O ministro do Exterior peruano, Javier Perez de Cuellar, agradeceu a Chavez pela prisão. Ele chamou Montesinos de "um delinquente traficante de drogas" que será julgado "como qualquer delinquente em nosso país". O ministro do Interior venezuelano afirmou que daria nesta segunda detalhes sobre a captura de Montesinos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.