Imagem Moisés Naím
Colunista
Moisés Naím
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Uma visita ao futuro

Passei alguns dias no Vale do Silício. Desse vale na Califórnia emergem com frequência novas tecnologias que mudam a vida de milhões de pessoas em todo o mundo. Conversei com inventores, empreendedores, investidores e também com os chefes das empresas onde trabalham. Muitas dessas empresas contabilizam ganhos substanciais, outras ainda não e talvez nunca o consigam. As mais surpreendentes são aquelas adquiridas por somas enormes, apesar de uma receita relativamente baixa. É o caso do WhatsApp, aplicativo para enviar e receber mensagens criado em 2009, com 55 funcionários e uma receita de US$ 20 milhões. Em fevereiro, foi comprado pelo Facebook por US$ 19 bilhões.

Moisés Naím, O Estado de S.Paulo

02 Novembro 2014 | 02h02

Uma tendência que tem se acelerado é a de empresas fundamentadas na internet com um enorme sucesso e sem fins lucrativos, que desejam apenas fazer o bem. Uma das mais conhecidas é a Khan Academy, criada por Salman Khan, jovem empreendedor que vem revolucionando a educação mundialmente. Outro exemplo é Vint Cerf, um dos criadores da internet, que, juntamente com seus colegas, se recusou a explorar e lucrar financeiramente com sua criação.

Falar de mudança no Vale do Silício é como falar de pão numa padaria: é o que fazem ali. Vivem disso, só pensam nisso e a isso dedicam o imenso talento que ali se concentra e o inimaginável volume de dinheiro vivo para apostar nas ideias mais audazes. Essa é a cultura inerente do vale: ambição, busca de grandes números de usuários, propensão ao "solucionismo", ou seja, a suposição de que todo problema tem solução e, muito provavelmente, essa solução implica o uso da internet.

É uma cultura de jovens, que chegam de todas as partes do mundo, onde o que importa é o que o indivíduo sabe ou o que pode inventar, não onde nasceu, sua cor de pele, seu sotaque, como se veste ou quem são os seus pais. É a meritocracia mais profunda que já vi. Também é uma cultura que despreza governo, organizações hierárquicas e centralizadas. Por outro lado, venera a informalidade, a agilidade, a mobilidade, a inteligência e, sobretudo, a predisposição ao risco e, mais concretamente, o não temor ao fracasso. Enquanto há países em que um fracasso deixa uma marca negativa e indelével na história de uma pessoa, no Vale do Silício, o fracasso é considerado um valioso aprendizado que previne erros no futuro. É importante destacar também que o Vale do Silício poderia se chamar vale dos homens: o número de mulheres ali é surpreendentemente baixo.

Nessa visita, observei algumas mudanças. Há mais empresas, mais tecnologias, mais iniciativas, mais incursões em novos setores - de veículos a energia ou exploração espacial. Há mais dinheiro à disposição para investir e mais desejo de buscar clientes fora dos Estados Unidos. Muitas das empresas recém-criadas são micromultinacionais: já nascem com a ambição de operar mundialmente. O normal em outras partes do mundo é as empresas serem criadas com vocação para atuar em uma cidade ou em uma região e, se forem bem-sucedidas, elas se expandem nacionalmente e depois para outros países. No Vale do Silício não é assim. Outra tendência que observei é que, embora não o reconheçam, os gigantes andam inseguros: Google, Facebook e outras empresas maiores sentem a pressão dos consumidores que se rebelam com algumas das suas práticas e dos governos que pretendem endurecer os regulamentos.

Afinal, quais são as principais surpresas que nos chegarão do Vale do Silício nos próximos anos? Impossível saber. Mas arrisco-me a mencionar três setores que oferecerão inovações muito transformadoras.

Uma é na área energética, onde veremos invenções interessantes relacionadas com armazenamento e aperfeiçoamento das baterias de grande porte, assim como tecnologias mais limpas e mais baratas.

A segunda é a "internet das coisas", ou seja, a crescente interconexão de todo tipo de aparelhos e objetos por meio da rede. A expectativa é que muito em breve a internet estará conectando entre si mais coisas (de eletrodomésticos a estoques de farmácias) do que pessoas.

Um terceiro setor é a saúde: tenho a impressão de que veremos interessantes avanços em tecnologias que melhoram a qualidade de vida das pessoas idosas e outras que aumentam a eficiência e barateiam a prestação de serviços médicos e hospitalares. E muito mais: da popularização do dinheiro virtual, como o bitcoin, à exploração do espaço ou a proliferação de robôs de todo o tipo.

E, finalmente, me parece interessante e muito revelador destacar alguns assuntos que ninguém levantou nas minhas conversas no Vale do Silício: o Ebola, o Estado Islâmico (EI) ou a Europa não pareceram despertar muito interesse da parte dos meus interlocutores. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

É EX-DIRETOR EXECUTIVO DO BANCO

MUNDIAL E MEMBRO DO CARNEGIE

ENDOWMENT FOR INTERNATIONAL PEACE

Mais conteúdo sobre:
Vale do SilícioTecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.