REUTERS/Carlos Garcia Rawlins
REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Unasul critica violência durante protestos e pede que Venezuela esclareça os incidentes

Vários deputados venezuelanos foram agredidos em frente à sede da Justiça Eleitoral enquanto protestavam para exigir uma resposta do órgão sobre o processo de referendo contra Maduro

O Estado de S. Paulo

10 Junho 2016 | 08h57

QUITO - A Secretaria-Geral da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) criticou a violência registrada na quinta-feira em Caracas e pediu às autoridades da Venezuela para esclarecer os fatos e determinar quem são os responsáveis.

Em comunicado, a Unasul afirmou que os ex-presidentes José Luis Rodríguez Zapatero, da Espanha, Leonel Fernández, da República Dominicana, e Martín Torrijos, do Panamá, que acompanham, à pedido do órgão, o esforço para estabelecer os fundamentos de um diálogo nacional no país, também criticaram a violência.

"A Unasul e os ex-presidentes expressam sua rejeição a todo tipo de violência que possa afetar a firme determinação de todos os venezuelanos, apoiados pela comunidade internacional, para chegar às condições que permitam chegar a uma convivência pacífica", disse o comunicado divulgado pelo órgão.

"Fazemos um firme chamado às autoridades competentes para esclarecer os fatos e as responsabilidades correspondentes. Pedimos a todos os atores políticos da Venezuela para solucionar de maneira pacífica e democrática suas legítimas diferenças", completou a nota da Unasul.

A reação ocorreu depois de vários deputados venezuelanos, entre eles o líder da bancada opositora, Julio Borges, terem sido agredidos na quinta-feira em frente à sede da Justiça Eleitoral. Eles protestavam para exigir uma resposta do órgão sobre o processo de referendo revogatório do mandato do presidente Nicolás Maduro.

Borges foi agredido por supostos partidários do chavismo quando liderava a manifestação dos parlamentares em favor do referendo para tirar Maduro do poder em frente à sede do Conselho Nacional Eleitoral (CNE). Ele estava acompanhado de mais de 60 deputados, que foram vítimas de ações similares.

A violência começou quando os deputados e manifestantes da oposição tentaram passar pela barricada montada pela Polícia e pela Guarda Nacional em torno do CNE. Os agentes expulsaram os deputados do local à força. Na sequência, eles foram agredidos por supostos apoiadores do governo. /EFE

Veja abaixo: Oposição venezuelana protesta por revogatório contra Maduro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.