Unesco suspende novos programas após corte de ajuda dos EUA

Suspensão de verba americana deixou buraco de US$ 65 milhões no orçamento da organização

Reuters

10 de novembro de 2011 | 19h02

PARIS - A Unesco, agência de cultural, ciência e educação da Organização das Nações Unidas (ONU), suspendeu temporariamente novos programas em resposta à decisão dos Estados Unidos de cortar o financiamento após a Unesco conceder adesão plena aos palestinos, afirmou o órgão nesta quinta-feira, 10.

 

A diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, disse à Conferência Geral da Unesco em Paris que a decisão foi devido a um buraco de US$ 65 milhões no orçamento de 2011 da agência provocado pela perda da ajuda dos Estados Unidos. "Temos que tomar medidas radicais e temos que fazer isso agora", disse Bokova na conferência em Paris na quarta-feira, de acordo com o texto de seu discurso divulgado nesta quinta-feira.

A Unesco, que promove a educação global e a liberdade de imprensa, entre outras tarefas, irá realizar uma revisão de suas atividades entre agora e o fim de dezembro, período em que novos compromissos serão colocados em espera. Um porta-voz da Unesco afirmou que programas prioritários serão mantidos e que não havia planos para corte de empregos na organização neste momento.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura mergulhou no caos financeiro em outubro, quando Washington, que fornece 22% dos seus fundos, congelou suas contribuições na sequência da votação que aprovou a adesão plena dos palestinos na agência. A legislação dos EUA proíbe o financiamento para qualquer agência da ONU que garanta a plena adesão a qualquer grupo que não seja reconhecido internacionalmente como um Estado.

Bokova disse que, revendo os seus compromissos contratuais, os níveis de pessoal, despesas de viagem e custos de comunicação, a Unesco provavelmente poderá gerar uma economia de até 35 milhões de dólares no orçamento deste ano.

A agência poderia, então, usar o seu fundo de capital de 30 milhões de dólares para cobrir o restante do déficit de 65 milhões de dólares, mas isso deixaria as suas finanças em condição frágil no início de 2012.

Para o próximo ano, a ausência do financiamento norte-americano significa que a Unesco enfrentará um déficit de 143 milhões de dólares, disse Bokova, acrescentando que a agência vai priorizar suas atividades e reduzir as despesas operacionais adicionais, se necessário.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, está falando com os membros do Congresso sobre o financiamento para a Unesco, mas enfrenta forte oposição em uma era de orçamentos apertados, especialmente do lado dos republicanos.

Bokova pediu por financiamento voluntário adicional de outros Estados membros para reforçar as finanças da agência e disse que ia lançar um Fundo de Emergência Multi-Doador para os programas prioritários.

"Eu sei que isto não é uma solução a longo prazo, mas que irá fornecer à organização algum espaço para respirar a fim de planejar racionalmente dentro de novas condições", disse ela. Além disso, os Estados membros foram instados a fazer suas contribuições para 2012 o mais rapidamente possível.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.