Unesco vai discutir políticas contra analfabetismo

Caso as políticas educacionais dos países não sejam transformadas radicalmente, um em cada dez adultos no mundo continuará sendo analfabeto em 2010. Segundo dados da Organização das Nações Unidas para a Educação Ciência e Cultura (Unesco), cerca de 875 milhões de pessoas não sabem ler nem escrever. O problema é que, nos últimos dez anos, esse número não sofreu grandes alterações, o que preocupa a agência da ONU.Para tentar reverter essa tendência, começa nesta quarta-feira em Genebra a 46ª Conferência Internacional sobre Educação, reunindo 180 países. O evento terá como objetivo estudar a implementação de novas políticas que possam garantir acesso à educação para todos.Os dados apresentados pela Unesco sobre a educação no mundo são preocupantes, e a situação é ainda pior entre as mulheres. Dos 875 milhões de analfabetos no mundo, 580 milhões são mulheres. No Sudeste Asiático, por exemplo, três em cada cinco mulheres não sabem ler. Para acabar com esse problema, a mensagem é que falta mais vontade política do que recursos públicos. A ONU estima que o mundo deve gastar US$ 7 bilhões por ano a mais para reduzir o analfabetismo - o mesmo valor que os europeus gastam por ano com o consumo de sorvetes. Além dos debates nos próximos três dias, a Unesco escolheu os 100 melhores projetos sociais no mundo que deverão servir de exemplo para outros países. Dois programas brasileiros estão entre os escolhidos: o Comunidade Solidária e o Projeto Axé.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.