União Africana critica indiciamento do presidente do Sudão

Indiciamentos do Tribunal Penal Internacional (TPI) contra o presidente do Sudão Omar Al-Bashir estão "minando a solidariedade, a paz e a segurança africanas", afirmou hoje o presidente da União Africana (UA) e presidente do Malauí, Bingu wa Mutharika. A afirmação foi feita durante a cúpula da UA, que começou neste domingo em Uganda, com a presença de 40 líderes do continente.

AE-DJ, Agência Estado

25 de julho de 2010 | 13h45

Mutharika pediu para os outros líderes africanos presentes na cúpula acharem uma solução para o conflito no Sudão, que não implique na prisão do seu presidente. "Há uma preocupação na África de que a emissão do mandato de prisão contra um presidente eleito é uma violação de um dos princípios de soberania garantido pelas Nações Unidas e pela carta de direitos da União Africana," opinou.

"Talvez haja outras abordagens. Vamos analisar estas possibilidades juntos," ponderou.

Em março do ano passado, o TPI emitiu uma ordem de prisão internacional contra Al-Bashir pelas acusações de crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Ele é acusado do assassinato de 35 mil pessoas e a morte por fome e doença de mais de 300 mil na região de Darfur (oeste do Sudão) desde 2003, segundo dados das Nações Unidas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ÁfricaSudãoCúpula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.