União Africana decide por formar força de paz para o continente

Região não quer mais depender de ajuda estrangeira para lidar com conflitos internos

Reuters,

27 Maio 2013 | 09h36

Líderes africanos decidiram estabelecer uma força militar para lidar com emergências de segurança regionais, tentando diminuir a dependência do continente em forças e fundos de defesa estrangeiros. A decisão, tomada na cúpula da União Africana em Addis Ababa, seguiu pedidos de vários líderes por uma capacidade de defesa africana, frente à persistência de uma série de conflitos e rebeliões no continente.

Planos para uma força africana existem há mais de uma década. Mas atrasos na criação de um contingente levou a críticas de que a África demorou demais para agir pela paz no continente por conta própria, dependendo de ajuda da Organização das Nações Unidas e de doadores ocidentais. 

O texto da decisão, tomada na cúpula afirma que uma força de paz imediata e assertiva será formada por contribuições voluntárias de tropas, equipamentos e fundos dos estados membros em posição para provê-los.    

A iniciativa foi chamada de Capacidade Africana de Resposta Imediata para Crises (ACIRC, da sigla em inglês), e será uma medida transitória antes da formação completa da força de paz planejada.

A capacidade consistiria de uma "força robusta e flexível (...) para ser enviada rapidamente para responder a situações de emergência dentro do projeto de paz africano e da arquitetura de segurança". A decisão foi focada em "ajudar a trazer soluções africanas para problemas africanos", diz o texto.

Desafios de segurança enfrentados pela União Africana nos últimos dois anos incluem golpes em Guiné-Bissau e Mali, ofensivas de grupos militantes islâmicos em Mali e na Nigéria, e conflitos envolvendo rebeledes no Congo e na República da África Central.

Em Mali, a França enviou tropas e aviões ao país para bloquear um avanço de jihadistas islâmicos, uma intervenção que envergonhou a União Africana ao mostrar a falta de capacidade de defesa do continente. 

Mais conteúdo sobre:
ÁfricaUnião Africana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.