União Africana decide suspender Madagáscar

A União Africana (UA) suspendeu Madagáscar hoje, depois de qualificar como golpe a tomada de poder por um político de oposição apoiado pelo Exército da nação insular. A decisão da UA vem à tona um dia depois de a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral ter anunciado que não dará legitimidade ao novo líder madagascarense, Andry Rajoelina. Ontem, a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral pediu ainda que a UA e o restante da comunidade internacional não reconhecessem Rajoelina como presidente e exigiu "o retorno às ordens constitucional e democrática no menor prazo possível".

AE-AP, Agencia Estado

20 de março de 2009 | 09h06

Hoje, o Conselho de Paz e Segurança da UA deu seis meses para que Madagáscar restaure a ordem constitucional, provavelmente por meio de eleições, disse Bruno Nongoma Zidouemba, presidente temporário da segunda instância mais importante da entidade. Caso isso não ocorra, a UA analisará a possibilidade de impor sanções aos novos líderes de Madagáscar, prosseguiu Zidouemba em conversa com jornalistas.

Depois de meses de protestos de rua liderados por Rajoelina, o presidente Marc Ravalomanana renunciou ao cargo na terça-feira e entregou o poder aos militares. Horas depois, o Exército anunciou Rajoelina como novo presidente madagascarense.

Tudo o que sabemos sobre:
União AfricanaMadagáscargoverno

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.