União Africana deixa Costa do Marfim e impasse persiste

Gbagbo segue sem deixar a presidência e não vai mais suspender cerco contra Ouattara

Agência Estado

19 de janeiro de 2011 | 10h46

ABIDJÃ - O enviado da União Africana, Raila Odinga, deixou Abidjã na manhã desta quarta-feira, 19, afirmando que fracassou em sua busca pela "ruptura necessária" na crise política na Costa do Marfim.

 

Primeiro-ministro do Quênia, Odinga disse que o presidente Laurent Gbagbo voltou atrás em sua promessa de levantar um bloqueio ao hotel onde tem vivido seu rival, Alassane Ouattara. O oposicionista é reconhecido como o vencedor da eleição presidencial de 28 de novembro pela autoridade eleitoral da Costa do Marfim e pela comunidade internacional.

 

Odinga deve viajar direto para Acra, após ter dito na segunda-feira que seguiria para consultas em Gana, Angola e Burkina Faso. Gbagbo já disse que deseja dialogar com o rival, mas recusa-se a aceitar todas as ofertas para deixar a presidência, incluindo o exílio e a imunidade em processos por crimes contra a humanidade.

 

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) atrasou até esta quarta uma votação para enviar mais 2 mil soldados para a Costa do Marfim, após a Rússia levantar objeções sobre o tema. O número é o máximo requisitado pelos comandantes da ONU, que temem uma possível crise com Gbagbo.

 

O presidente já exigiu várias vezes que as forças internacionais deixem a Costa do Marfim. O novo envio elevaria o número de soldados da organização no país para cerca de 11.500. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.