União Africana pede solução urgente para crise queniana

Scretário-geral das Nações Unidas diz que líderes político têm responsabilidade por acabar com impasse no país

Efe,

31 de janeiro de 2008 | 09h56

A União Africana (UA) pediu nesta quinta-feira, 31, uma solução urgente para resolver a crise do Quênia que já dura um mês e fez um apelo às partes envolvidas para que atuem com responsabilidade. "A atual situação do Quênia deveria nos obrigar a atuar, e não a ficar esperando", afirmou o presidente da Comissão da UA, Alpha Konare, na abertura da cúpula semestral, que terminará sábado. Desde as eleições do dia 27 de dezembro, o Quênia vive uma grave crise política e social que deixou mais de 850 mortos, segundo cálculos dos veículos de comunicação, e deslocou mais de 250 mil pessoas de suas casas. Por sua vez, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, que também discursou na abertura da cúpula africana, destacou que os líderes políticos do Quênia "têm a responsabilidade de resolver a crise o mais rápido possível". John Kufuor, presidente de turno da UA e chefe de Estado de Gana, que esteve no Quênia entre os dias 8 e 10 de janeiro para tentar uma mediação entre o governo e a oposição, lembrou os resultados de suas ações. Ele disse que nos contatos que teve com o presidente Mwai Kibaki e com o líder da oposição, Raila Odinga, conseguiu fazer com que os dois líderes aceitassem dialogar para resolver as disputas e a suspensão imediata da violência. Kufuor lembrou que ambos aceitaram a mediação de um painel de personalidades internacionais, presidido pelo ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, para realizar negociações formais. Ban Ki-moon destacou os resultados da cooperação entre a UA e a ONU que permitiu o desdobramento este ano de uma força conjunta de paz na região sudanesa de Darfur, uma aliança "sem precedentes". Segundo ele, o exemplo deveria ser seguido em outras regiões conflituosas do continente, como Somália, República Democrática do Congo (RDC) e a fronteira compartilhada por Etiópia e Eritréia.

Tudo o que sabemos sobre:
União AfricanaÁfricaQuênia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.