REUTERS/Rogan Ward
REUTERS/Rogan Ward

União Africana prepara distribuição de 1 milhão de testes para covid-19 no continente

Apesar do esforço para a distribuição dos testes, Centro de Controle e Prevenção de Doenças da organização afirma que quantidade de lotes é insuficiente

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2020 | 11h33

ADIS-ABEBA - O novo coronavírus chegou tarde à África, mas está se instalando gradualmente no continente. De acordo com os dados oficiais divulgados pelos países, já são mais de 17 mil casos confirmados da doença e 911 mortes. Em um cenário em que  diagnóstico ainda é um problema, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) da União Africana está planehando a distribuição de 1 milhão de testes a partir da próxima semana.

Em muitos países, a capacidade limitada de realizar testes em massa impede que as autoridades tenham uma imagem precisa da epidemia. "Existe uma lacuna significativa no continente em relação aos testes", disse o Dr. John Nkengasong em uma entrevista coletiva semanal na sede da União Africana (UA) em Adis-Abeba, capital da Etiópia.

Até o momento, a Nigéria realizou 6 mil testes para uma população de cerca de 200 milhões de habitantes. Na Etiópia, que tem mais de 100 milhões de pessoas, o número de testes chega perto de 5 mil, de acordo com Nkengasong.

Apesar da iniciativa em distribuir os testes, o médico admitiu que os milhões de lotes que o CDC está preparando para distribuir estão longe das necessidades do continente. "Dentro de três a seis meses, provavelmente precisaremos de cerca de 15 milhões de testes. Mas uma jornada de mil milhas sempre começa com a primeira milha", declarou.

Essa distribuição de kits de teste faz parte de um novo programa chamado Associação para Acelerar os Testes de covid-19 (Pact, na sigla em inglês).

Os países do continente com mais casos confirmados de covid-19 são África do Sul, Egito, Marrocos e Camarões./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.