União Europeia acusa governo etíope de fraudar eleições

A União Europeia afirmou que as eleições nacionais da Etiópia, ocorridas em maio, foram fraudadas. A missão observadora europeia que acompanhou o processo eleitoral no país africano publicou seu relatório hoje. Segundo a UE, as eleições etíopes não seguiram os padrões internacionais de transparência, e o dinheiro do Estado etíope foi usado na campanha eleitoral dos governistas. O relatório também destaca que os candidatos da oposição temiam sofrer represálias por ousarem enfrentar o governo nas urnas.

AE, Agência Estado

08 de novembro de 2010 | 15h33

O primeiro-ministro da Etiópia, Meles Zenawi, que governa o país desde o começo da década de 1990, disse que as críticas europeias e norte-americanas são desprovidas de fundamento. Em maio, o partido governista obteve uma vitória esmagadora nas urnas, dando a Meles seu quarto mandato consecutivo de cinco anos. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.