REUTERS/Sergei Karpukhin
REUTERS/Sergei Karpukhin

União Europeia acusa Rússia de espalhar fake news sobre coronavírus, diz Reuters

Documento obtido pela Reuters aponta campanha para "agravar a crise da saúde pública nos países ocidentais"; Kremlin nega e fala em 'obsessão anti-Rússia'

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 08h39

BRUXELAS E MOSCOU - A União Europeia acusou a mídia russa de estar coordenando uma "significante campanha de desinformação" contra o ocidente para piorar o impacto do coronavírus, criar pânico e semear desconfiança. É isso que mostra um documento analisado pela agência de notícias britânica Reuters. A Rússia negou as acusações.

O documento é datado de 16 de março e foi produzido pelo Serviço Europeu de Ação Externa, um braço da política externa da União Europeia. De acordo com o texto, a campanha "posta em prática pela mídia estatal russa e pró-Kremlin sobre o Covid-19" já está em curso.

"O objetivo principal da desinformação do Kremlin é agravar a crise da saúde pública nos países ocidentais ... de acordo com a estratégia mais ampla do Kremlin de tentar subverter as sociedades europeias", diz.

Ainda nessa quarta-feira, 18, quando a existência do documento veio a público, o Kremlin negou as acusações. O porta-voz da presidência russa, Dmitry Peskov, disse a repórteres que as alegações são infundadas e pautadas no senso comum.

Peskov apontou para a falta de uma conexão ou um exemplo específico entre um meio de comunicação russo e a tal campanha de desinformação no documento da UE.

"Estamos mais uma vez falando sobre uma denúncia infundada e que na situação atual é provavelmente resultado de uma obsessão anti-Rússia", afirmou. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.