União Européia adia decisão sobre transgênicos

A União Européia adiou, hoje, uma decisão que poderia marcar o fim de cinco anos de proibição de produtos transgênicos nos 15 países do bloco. A porta-voz Beate Gminder disse que o quadro de especialistas, que reuniu-se para analisar o assunto, precisa de mais tempo para estudar a proposta que autoriza a venda de milho enlatado, desenvolvido a partir de sementes geneticamente modificadas. Segundo ela, a votação se dará em 8 de dezembro.?Esta foi apenas uma primeira discussão?, disse Gminder aos jornalistas. ?Eles (os especialistas) querem uma oportunidade para pensar." Mesmo que aprovado em dezembro, o milho não estará à venda nos mercados da Europa antes de abril, quando a nova legislação da EU, permitindo a produção de alimentos transgênicos sob normas severas, entra em vigor.Há tempo os países do bloco estão divididos quanto à questão. A Inglaterra, Espanha e Holanda quer que a proibição seja suspensa. Outros, liderados pela França, Itália e Áustria, estão menos entusiasmados com os transgênicos.Se o grupo de especialistas não chegar a uma maioria clara, em dezembro, a decisão de decretar a lei irá para os governos da EU, que terão mais 90 dias para considerar a questão. Enquanto isso, o grupo ambientalista Greenpeace faz campanha para que a União Européia mantenha a proibição contra alimentos geneticamente modificados.?Não há benefícios no milho transgênico, só preocupações ambientais e de saúde?, diz Eric Gall, conselheiro do Greenpeace na União Européia. ?Portanto, não se trata de adiar um mês a decisão, mas rejeitar a autorização para sua venda.?Produtos geneticamente modificados são largamente vendidos nos Estados Unidos e em outros países que pressionam o bloco europeu para acabar com a proibição e abrir mercado para suas exportações transgênicas. Mas as autoridades européias têm sido cautelosas, citando a preocupação do público com problemas de saúde e de meio ambiente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.