Yves Herman/Reuters
Yves Herman/Reuters

União Europeia age para proteger empresas do bloco contra sanções americanas impostas ao Irã

Governo Trump tirou EUA do acordo nuclear iraniano em maio e, consequentemente, sanções impostas ao país anteriormente voltaram a vigorar

O Estado de S.Paulo

06 Agosto 2018 | 17h47

BRUXELAS - A União Europeia (UE) afirmou nesta segunda-feira, 6, que novas medidas de proteção a empresas europeias estão prontas para entrar em vigor, como forma de diminuir o impacto das sanções americanas impostas ao Irã.

Além da proteção, as medidas também buscam salvar o acordo nuclear, destinado a conter as ambições nucleares iranianas, mesmo depois de os Estados Unidos terem abandonado o pacto. A UE insiste que o acordo é importante para a segurança global e está tentando manter abertas linhas de apoio econômico e financeiro a Teerã.

A Comissão Executiva da UE disse que o "estatuto de bloqueio" entrará em vigor a partir da meia-noite em Washington. O mecanismo impede que empresas europeias tenham que obedecer às sanções americanas a não ser que tenham autorização da Comissão. Governos nacionais poderiam impor "penalidades efetivas, proporcionais e dissuasivas" a qualquer de das empresas que descumprissem as determinações.

+ Empresas europeias ponderam sobre investimentos no Irã

Em um comunicado, os ministros das Relações Exteriores de Reino Unido, França e Alemanha - os países garantidores do acordo nuclear iraniano -  juntos da chefe de política externa de UE, Federica Mogherini, disseram lamentar "profundamente a reimposição de sanções pelos EUA".

O grupo disse que o acordo nuclear "está funcionando e cumprindo sua meta" e os países envolvidos estão "determinados a proteger os operadores econômicos europeus envolvidos em negócios com o Irã".

O presidente dos EUA, Donald Trump, decidiu em maio retirar o país do acordo, sancionado pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), alegando que o pacto não impedia o Irã de desenvolver mísseis ou desestabilizar as regiões do Oriente Médio e do Golfo. Os europeus argumentam que a negociação foi assinada apenas para conter o desenvolvimento de armas nucleares.

O primeiro conjunto de sanções americanas contra o Irã foi flexibilizado pelo governo Obama, mas voltarão a vigorar a partir desta terça-feira. As punições têm como alvo o setor automotivo iraniano, assim como os mercados do ouro e outros metais. 

No entanto, funcionários da UE dizem que ainda não estão claras as possíveis consequências das sanções contra empresas europeias.

O segundo lote de sanções dos EUA tem deve entrar em vigor no início de novembro, e foca no setor petrolífero e no Banco Central iraniano. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.