União Européia condena filme holandês sobre Corão

Os ministros das RelaçõesExteriores da União Européia condenaram no sábado um filmeholandês que acusa o Corão de incitar a violência, mas disseque seu autor tinha o direito de fazer o filme segundo osprincípios de liberdade de expressão do bloco.Geert Wilders, parlamentar holandês e líder do Partido Livreantiimigração, lançou na quinta-feira um vídeo curto naInternet, levando um site ligado a Al Qaeda a pedir sua morte eataques a soldados holandeses no Afeganistão. O filme "Fitna" --termo árabe às vezes traduzido como"discórdia"-- intercala cenas dos ataques de 11 de setembro ede bombardeios islâmicos com imagens do Corão, o livro sagradodo Islã. "O filme iguala o Islã à violência e está visão éamplamente rejeitada", disseram os 27 ministros em umcomunicado, depois de uma reunião de dois dias na cidadeeslovênia de Brdo. "A vasta maioria dos muçulmanos rejeitam o extremismo e aviolência", disseram, manifestando apoio ao governo holandês,que se opôs à visão do filme sobre o Islã. O filme, que pede aos muçulmanos que rasguem trechos"cheios de ódio" do Corão, irritou nações muçulmanas de formasemelhante ao que houve com as charges do profeta Maomé com umabomba no turbante, publicadas em um jornal dinamarquês em 2005. Mas os ministros disseram que o vídeo não viola osprincípios de liberdade de expressão. "Sentir-se ofendido não édesculpa para agressão ou ameaças", disseram os ministros. (Por Marcin Grajewski)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.