União Europeia condena golpe militar em Honduras

A União Europeia (UE) condenou hoje o golpe militar que depôs o presidente de Honduras, Manuel Zelaya. Ele foi detido na madrugada deste domingo depois de ter sua residência invadida por soldados do Exército. O presidente teria sido levado a uma base aérea nos arredores de Tegucigalpa, capital do país.

AE-AP, Agencia Estado

28 de junho de 2009 | 12h46

Em comunicado divulgado pelos 27 chanceleres da UE, o bloco de países europeus classificou a deposição de Zelaya de "inaceitável violação da ordem constitucional em Honduras". A UE exigiu ainda a imediata libertação de Zelaya e "a volta à normalidade constitucional".

Zelaya foi preso horas antes de ter início um referendo que consultaria a população sobre mudanças constitucionais que lhe permitiria concorrer à reeleição. O referendo foi considerado ilegal pela Suprema Corte hondurenha e sofria oposição também dos militares, Congresso e membros do próprio partido de Zelaya. O mandato de Zelaya, eleito em 2006, vence em janeiro de 2010.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasgolpeUnião Europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.