União Européia congela ativos de grupos radicais

A União Européia (UE) adotou hoje uma série de medidas antiterroristas, que incluem o congelamento de bens de grupos palestinos radicais e cataloga como terroristas organizações da Irlanda do Norte e do País Basco espanhol. O bloco europeu congelou os ativos da Jihad Islâmica e do Hamas Izzedine al-Qassam, a que chamou de "ala terrorista do Hamas". Entre os indivíduos cujos bens foram congelados está Imad Mughniyeh, a quem a UE catalogou como "funcionário de inteligência de alto nível" do grupo Hezbollah do Líbano, junto com outros dois cidadãos libaneses, quatro sauditas e um kuwaitiano.O pacote também incluiu uma definição comum dos crimes terroristas, aceita pelas 15 nações integrantes da UE; um acordo que nega refúgio aos terroristas, a seus simpatizantes ou a seus patrocinadores financeiros; uma maior cooperação e intercâmbio de informação entre as agências em cumprimento à determinação estabelecida pela UE, além das de outras nações; e uma monitorização mais cuidadosa daqueles que buscam asilo para assegurar que os terroristas não obtenham status de refugiados.Pela primeira vez, os governos da UE também fizeram uma lista de organizações locais acusadas, por todos os membros, de atividade terrorista. Entre elas, incluíram a organização terrorista basca ETA o Exército Republicano Irlandês (IRA), grupos anticatólicos da Irlanda do Norte e o grupo grego de extrema esquerda Novembro 17. Também foram incluídos na lista 21 cidadãos espanhóis acusados de terem vínculos com a ETA.A UE não congelou imediatamente os ativos dos cidadãos ou grupos porque não existe legislação ampla a respeito que possa ser seguida por todo o bloco. Mas funcionários disseram que os governos nacionais atuariam individualmente contra os grupos locais. Também disseram que o fato de catalogar os grupos como terroristas provocará seu isolamento e facilitará a cooperação entre as polícias da UE nas operações contra eles.Funcionários da UE disseram também que concordaram em fazer uma lista secreta independente de organizações e indivíduos suspeitos de terem vínculos como terroristas e que estão sujeitos a serem investigados pelas forças policiais européias. As medidas foram acertadas ontem como resultado de uma troca de correspondência entre governos da UE, e os detalhes serão divulgados ainda hoje. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.