Christopher Furlong / AFP
Christopher Furlong / AFP

União Europeia dá prazo para plano de Johnson sobre o Brexit

Premiê britânico tem até o fim de setembro para enviar proposta que evite o restabelecimento de fronteira com Irlanda

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2019 | 22h56

PARIS - A União Europeia deu nesta quarta-feira, 18,  um prazo de duas semanas para o premiê britânico, Boris Johnson, apresentar sua proposta para  substituir o “backstop”, mecanismo que impede o restabelecimento de uma fronteira física entre a Irlanda e a Irlanda do Norte após o Brexit

Em Paris, o presidente francês, Emmanuel Macron, se reuniu com o primeiro-ministro da Finlândia, Antti Rinne, que ocupa a presidência rotativa da UE. Após o encontro, os dois se disseram “preocupados” com o andamento das negociações. “Johnson tem de apresentar uma proposta por escrito – se é que ela existe”, reclamou Rinne. “Se não recebermos nada até o fim de setembro, então a negociação está encerrada.” 

Hoje, o Parlamento Europeu colocou mais pressão sobre o premiê britânico, aprovando a possibilidade de um extensão do prazo do Brexit – marcado para o dia 31 de outubro –, caso o Reino Unido peça e somente se Johnson justificar detalhadamente o pedido. A ampliação do prazo só será discutida pelos líderes europeus na cúpula de Bruxelas, nos dias 17 e 18 de outubro. 

Johnson estaria surpreso com compexidade da questão irlandesa

Na segunda-feira, Johnson esteve em Luxemburgo e se reuniu com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, com o chefe da UE nas negociações do Brexit, Michel Barnier, e com o premiê luxemburguês, Xavier Bettel. Diplomatas presentes nas reuniões confidenciaram ao jornal The Guardian que o premiê demonstrou surpresa ao ser informado sobre a complexidade da questão irlandesa.

Uma das ideias de Johnson para substituir o “backstop” é manter livre a circulação de animais e comida entre as duas Irlandas – evitando os postos de checagem. Funcionários do alto escalão do governo britânico e da burocracia europeia disseram que Juncker e Barnier detalharam aspectos técnicos e explicaram que a proposta não resolveria o trânsito de outras mercadorias. 

Johnson, segundo relatos, empalideceu. Segundo o jornal Financial Times, ele teria se voltado para seu negociador-chefe, David Frost, e para seu scretário do Brexit, Stephen Barclay, e se queixado de ter sido mal informado. “Quer dizer que minha proposta não resolveria o problema da fronteira (irlandesa)?”, questionou o premiê. Mais tarde, o governo britânico negou que Johnson estivesse surpreso com a complexidade do tema. / REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.