União Européia da ultimato ao Irã sobre questão nuclear

Responsável pelas negociações diretas sobre o programa nuclear iraniano, o chefe de política externa da União Européia (UE), Javier Solana, deu um ultimato ao Irã nesta quarta-feira. Segundo Solana, Teerã deve decidir se quer continuar as negociações sobre seu programa nuclear, pois os contatos não vão durar para sempre."Hoje, o Irã não se comprometeu a suspender [o enriquecimento]", falou Solana ao Parlamento Europeu. "Este diálogo não pode durar para sempre e cabe aos iranianos decidir se o tempo das negociações chegou ao fim". Para Solana, caso o Irã opte por encerrar as conversas, a questão deve ser levada ao Conselho de Segurança da ONU. O diplomata europeu destacou também que suas "intermináveis horas" de conversas com o principal negociador nuclear iraniano, Ali Larijani, não tiveram nenhum progresso. "Chegamos a um lugar comum somente em algumas questões, importantes claro, mas não concordamos em algo que é o ponto principal: a suspensão das atividades antes do começo das conversas" com o Ocidente sobre o uso iraniano de tecnologia nuclear. Solana sublinhou que "a porta das negociações sempre permanecerá aberta" para Teerã sobre seus planos nucleares. "Estou convencido de que o dossiê iraniano pode apenas ser resolvido através de negociações", disse Solana aos legisladores. Ele instou o Irã a continuar as conversas para evitar a ameaça de sanções na ONU, que serão discutidas pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança do órgão caso as negociações com os europeus não avancem. O negociador europeu não havia fixado data para outro encontro cara a cara com Larijani, mas afirmou estar disposto a viajar a Teerã, se o mês sagrado do Ramadã não for um bom período para o iraniano viajar. Solana tem encabeçado negociações com Larijani em nome da Inglaterra, França, Alemanha, China, Estados Unidos e Rússia, que estão tentando persuadir o Irã a suspender seu processamento de urânio em troca de um pacote de incentivos. Esse grupo teme que Teerã esteja usando seu programa nuclear para desenvolver armas nucleares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.