Photo by Luis ROBAYO / AFP
Photo by Luis ROBAYO / AFP

União Europeia dará à América Latina 35 milhões de euros em ajuda para lidar com êxodo venezuelano

Anúncio foi feito em Bogotá pelo premiê espanhol, Pedro Sánchez, que elogiou solidariedade da Colômbia

O Estado de S.Paulo

30 Agosto 2018 | 19h07

BOGOTÁ - O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, anunciou nesta quinta-feira, 30, a aprovação por parte da União Europeia (UE) de 35 milhões de euros em ajuda humanitária para que a América Latina consiga lidar com o êxodo de venezuelanos que fogem da crise em seu país.

"O governo da Espanha fez seus ofícios também no marco da União Europeia, e precisamente hoje em Bruxelas foi anunciado que a UE colocará 35 milhões de euros à disposição da região da América Latina para fazer frente a esta crise migratória", disse Sánchez em Bogotá depois de se reunir com o presidente da Colômbia, Iván Duque.

Sánchez se reuniu com Duque em Bogotá por ocasião da visita oficial que iniciou na quarta-feira à capital colombiana em meio a sua viagem por quatro países latino-americanos.

A Comissão Europeia anunciou em 7 de junho em Bruxelas a concessão de um novo pacote de ajuda humanitária de emergência e desenvolvimento de 35 milhões de euros para ajudar o povo venezuelano, assim como os países vizinhos afetados pela crise socioeconômica desse país.

Nesse sentido, Sánchez destacou a solidariedade da Colômbia por estar acolhendo mais de 1 milhão de venezuelanos que fugiram do seu país.

"O governo da Espanha expressa sua solidariedade ao povo colombiano (...) porque a Colômbia está acolhendo atualmente mais de 1 milhão de seres humanos venezuelanos que estão saindo em êxodo em massa como consequência da crise política, econômica, e social que se vive na Venezuela", comentou o premiê espanhol.

Nesta primeira visita à América Latina, cujo objetivo é fortalecer a relação e reforçar o diálogo com os países da região, Sánchez visitou Chile e Bolívia, e depois da Colômbia viajará à Costa Rica. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.