União Europeia diz que diálogo com Irã deve focar no programa nuclear

BRUXELAS - A União Europeia disse nesta quarta-feira, 14, em uma carta ao Irã que aceita sua proposta de retomar os diálogos já em setembro, mas afirma que as negociações devem se concentrar no programa nuclear de Teerã.

Reuters

14 de julho de 2010 | 15h15

 

Veja também:

linkBrasil não participará de diálogo, diz Rússia

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

A carta foi enviada pela chefe de assuntos estrangeiros da União Europeia, Catherine Ashton, em resposta a uma carta do dia 6 de julho de Saeed Jalili, negociador-chefe para assuntos nucleares do Irã, pedindo a retomada dos diálogos.

Sua proposta foi o primeiro indício de que o Irã estaria disposto a negociar com as potências mundiais sobre seu programa nuclear desde que a Organização das Nações Unidas (ONU) impôs mais sanções sobre o Irã no mês passado, uma medida que visava desacelerar o enriquecimento do urânio no país.

"Estou contente em ouvir que você poderia estar preparado para retomar o diálogo", disse Ashton a Jalili. "Compreende-se que os assuntos relacionados ao programa nuclear iraniano devem ser o foco de nossas negociações, apesar de que outros assuntos... poderem também ser levantados."

Ela propôs que autoridades europeias e do Irã discutissem um horário e um local para a reunião. Um porta-voz de Ashton confirmou que a União Europeia havia respondido a Jalili em uma carta que foi entregue na terça-feira.

O Ocidente acredita que o Irã quer produzir armas nucleares. O Irã afirma que seu programa nuclear tem somente objetivos pacíficos, inclusive para a produção doméstica de energia nuclear.

Teerã não tem realizado negociações substanciais com o Ocidente desde outubro, quando recuou de um acordo para enviar parte de seu urânio de baixo enriquecimento ao exterior em troca de material altamente enriquecido, que o país necessita como combustível para um reator de pesquisa médica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.