Olivier Hoslet/Efe
Olivier Hoslet/Efe

União Europeia e Ucrânia assinam acordo de associação política

Crise ucraniana começou quando esse tratado foi rejeitado em novembro por Yanukovich

O Estado de S. Paulo,

21 de março de 2014 | 11h00

BRUXELAS - A União Europeia e a Ucrânia assinaram nesta sexta-feira, 21, os pontos principais de um acordo de associação política, adotando o tratado rejeitado em novembro pelo então presidente ucraniano Viktor Yanukovich - decisão que levou à sua deposição.

O primeiro-ministro Arseni Yatseniuk, os dirigentes europeus Herman van Rompuy e José Manuel Barroso e líderes dos 28 países da UE assinaram os artigos principais do Acordo de Associação durante a cúpula da UE que ocorre em Bruxelas.

O acordo prevê uma maior cooperação política e econômica entre o bloco e a Ucrânia, embora as partes mais substanciais do tratado, relativas ao livre comércio, só devam ser assinadas depois que a Ucrânia realizar novas eleições presidenciais, em maio.

Van Rompuy, presidente do Conselho Europeu, disse que o acordo deixará a Ucrânia e seus 46 milhões de habitantes mais próximos do coração da Europa e de um "modo de vida europeu". "O acordo reconhece as aspirações do povo da Ucrânia a viver em um país governado por valores, pela democracia e pelo estado de direito, onde todos os cidadãos tenham envolvimento na prosperidade nacional."

Dois conjuntos de documentos circularam pela mesa para que os líderes da UE e Yatseniuk assinassem. Em clima solene, Van Rompuy e Yatseniuk se cumprimentaram e trocaram os documentos, sob aplausos, segundo testemunhas.

Em novembro, Yanukovich desistiu de assinar o acordo de associação com a UE, preferindo em vez disso estreitar os vínculos com Moscou. A decisão desencadeou protestos violentos, que se estenderam por vários meses e acabaram levando à deposição e fuga de Yanukovich. Logo depois, forças russas ocuparam a Crimeia, motivando protestos e sanções por parte da UE e dos EUA.

Além de estreitar os laços políticos, a Comissão Europeia decidiu ampliar em quase 500 milhões de euros os benefícios econômicos para a Ucrânia, removendo alíquotas alfandegárias sobre diversos produtos agrícolas, têxteis e de outros tipos.

Depois da eleição presidencial ucraniana, a UE planeja implementar uma área de livre comércio com a Ucrânia, dando ao país acesso ilimitado aos 500 milhões de consumidores do mercado europeu. Embora isso possa levar a uma recuperação da dilapidada economia ucraniana, também poderá atrair retaliações da Rússia, que já impôs um maior rigor nos trâmites alfandegários com a Ucrânia.

Outro ônus para Kiev na associação com a UE é a necessidade de promover mudanças institucionais e adotar onerosas regras de comércio e ambiente./ REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.