Reuters
Reuters

União Europeia endurece sanções contra regime sírio de Bashar al-Assad

Novas medidas foram aprovadas em reunião dos ministros das Relações Exteriores que ocorre em Bruxelas

Efe,

23 de janeiro de 2012 | 11h11

BRUXELAS - Os países da União Europeia (UE) aprovaram nesta segunda-feira, 23, novas sanções ao regime sírio de Bashar al-Assad pela repressão aos protestos no país e por se recusar a abrir processo de reformas democráticas.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

 

Os 27 países do bloco concordarem em bloquear os recursos de oito novas entidades vinculadas ao Governo e de 22 pessoas - principalmente militares -, as quais também terão proibida a entrada em território comunitário.

As novas medidas foram aprovadas no começo da reunião dos ministros das Relações Exteriores que ocorre nesta segunda-feira em Bruxelas.

Nesta nova rodada de sanções continua a linha marcada pela UE, que se comprometeu em endurecer a pressão sobre o regime sírio enquanto persistir a repressão.

Em dezembro, os 27 incluíram outras 12 pessoas e 11 entidades a sua lista negra, na qual já figuravam 74 indivíduos e 19 companhias.

Além disso, a UE introduziu sanções econômicas em coordenação com os Estados Unidos a diversos setores, como energético, financeiro, bancário e comercial.

Nesta segunda-feira, os responsáveis pelas Relações Exteriores dos 27 devem discutir a situação no país, depois que a última proposta da Liga Árabe fosse rejeitada hoje pelo regime de Bashar al Assad.

Damasco classificou de "complô conspiratório" o pedido feito no domingo pelos países árabes, que pediram a Assad transferir os poderes ao vice-presidente do país, e a formar um Governo de união nacional no prazo de dois meses, para convocar eleições presidenciais.

A chefe da diplomacia comunitária, Catherine Ashton, expressou nesta segunda-feira que a UE apoia as propostas da Liga Árabe diante das Nações Unidas.

Tudo o que sabemos sobre:
Primavera ÁrabeSíriaAssad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.