União Europeia lamenta recusa de Israel em parar assentamentos

Bloco classifica colônias como ilegais e diz que casas são 'obstáculo para a paz'

Agência Estado

08 de dezembro de 2010 | 10h50

BRUXELAS - A União Europeia (UE) lamentou nesta quarta-feira, 8, a recusa do governo de Israel a congelar as construções em assentamentos na Cisjordânia.

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

Os assentamentos foram descritos pelo bloco europeu como ilegais e "um obstáculo para a paz", segundo uma porta-voz da UE. Os palestinos querem as terras dos assentamentos como parte de seu futuro Estado independente, e se recusam a negociar com Israel por causa dessas obras.

 

"Nós notamos com pesar que os israelenses não estão em uma posição de aceitar uma ampliação da moratória como requerido pela UE, pelos Estados Unidos e pelo Quarteto (para o Oriente Médio)", disse a porta-voz, Maja Kocijancic.

 

O Quarteto é formado por Nações Unidas, Rússia, UE e EUA. "Nossa visão sobre os assentamentos é clara: eles são ilegais de acordo com a lei internacional e um obstáculo para a paz", acrescentou a funcionária.

 

Saiba mais:

linkPalestinos se desiludem com EUA e crise se agrava

 

As negociações de paz entre israelenses e palestinos voltaram à estagnação com a recusa de Israel. As perspectivas de uma nova retomada pioraram na terça, quando os EUA anunciaram que não pressionariam mais o Estado judeu para uma nova moratória sobre os assentamentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.