Markus Schreiber/Pool via REUTERS
Markus Schreiber/Pool via REUTERS

União Europeia passa à frente dos Estados Unidos em vacinação

Números indicam que bloco manteve velocidade durante o verão do Hemisfério Norte

Elian Peltier, The New York Times, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2021 | 20h00

BERLIM - Os 27 Estados-membros da União Europeia já administraram mais doses de vacina contra o coronavírus por 100 pessoas do que os Estados Unidos, em outro sinal de que as inoculações em todo o bloco mantiveram a velocidade durante o verão do Hemisfério Norte, enquanto estagnaram por semanas nos Estados Unidos.

Os países da UE administraram 102,66 doses por 100 pessoas até esta terça-feira, 27, enquanto os Estados Unidos administraram 102,44 no mesmo período, de acordo com os últimos dados de vacinação compilados pelo Our World in Data. Neste mês, a União Europeia também ultrapassou os Estados Unidos nas primeiras injeções: atualmente, 58% das pessoas em todo o bloco receberam uma dose, em comparação com 56,5% nos Estados Unidos.

Os números mais recentes fornecem um forte contraste com os estágios iniciais das campanhas de vacinação deste ano, quando os países da UE, enfrentando uma escassez de doses e entregas atrasadas, ficaram para trás nos esforços inicialmente mais bem-sucedidos nos Estados Unidos, Reino Unido e Israel.

Mas a União Europeia está vacinando suas populações em um ritmo mais rápido do que a maioria dos países desenvolvidos. Mais de 70% dos adultos do bloco já receberam pelo menos uma dose da vacina contra o coronavírus.

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, disse que a conquista colocou os países da UE “entre os líderes mundiais”. “O processo de recuperação foi muito bem-sucedido”, disse ela em um comunicado na terça-feira.

Como as campanhas de inoculação em muitos Estados americanos foram prejudicadas por um sentimento anti-vacina generalizado, os países da UE conseguiram imunizar suas populações com menos resistência.

Cerca de 75% dos residentes no bloco concordam que as vacinas são a única maneira de acabar com a pandemia do coronavírus, de acordo com uma pesquisa pública realizada em maio na União Europeia. Além disso, 79% disseram que pretendiam ser vacinados “em algum momento deste ano”.

No entanto, a disseminação da variante Delta adicionou uma nova urgência. Os casos dispararam em países como Holanda e Portugal, e as hospitalizações aumentaram na França e na Espanha, entre outros, levando as autoridades a tentarem acelerar as campanhas de vacinação que diminuíram ligeiramente nas últimas semanas.

“Os países tentaram no primeiro semestre do ano esticar o intervalo entre a primeira e a segunda dose, mas agora têm que reduzi-lo ao mínimo, com o menor intervalo possível”, disse Andrea Ammon, diretora do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças.

O centro disse na semana passada que a variante Delta agora é dominante na maioria dos países do bloco. Países como França e Itália anunciaram novos requisitos de vacinas para tentar acelerar as inoculações, com prova de vacinação ou um conjunto de testes negativos necessários para obter acesso à maioria dos locais públicos fechados. O objetivo, disse o presidente Emmanuel Macron, da França, ao anunciar as medidas neste mês, é “colocar restrições aos não vacinados, e não a todos”.

Como as campanhas diminuíram ligeiramente ou estabilizaram em alguns países da UE, as autoridades de saúde também pediram aos mais jovens que sejam vacinados.

“Nós nos concentramos muito nos idosos, e isso deixou uma percepção muito forte entre os mais jovens de que eles não correm risco ou que, se tiverem covid, será muito leve”, disse Heidi Larson, antropóloga e fundadora do projeto Vaccine Confidence, de Londres, que rastreia opiniões sobre imunização em todo o mundo.

Vittoria Colliza, epidemiologista que mora em Paris e trabalha no Inserm, o centro francês de pesquisa em saúde pública, disse que os níveis de saturação da vacina eram altos entre muitas populações, mas que os grandes bolsões ainda não tinham recebido uma dose.

Ela acrescentou que novas restrições podem ter que ser reimpostas para conter a propagação da variante Delta se a imunização não acompanhar o ritmo de transmissão. “Os mais jovens já estão tomando a vacina”, disse Colliza. “Mas o medo é que a variante Delta comece a impactar totalmente nossas vidas até o final de agosto.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.