AHMAD AL-BASHA / AFP
AHMAD AL-BASHA / AFP

União Europeia prepara processo contra AstraZeneca por falta de vacinas

Farmacêutica não teria cumprido o cronograma de entregas acordado com o bloco; objetivo do processo é obrigar a AstraZeneca a fornecer a quantidade de doses estabelecida em contrato

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2021 | 05h11

WASHINGTON — A Comissão Europeia se prepara para iniciar um processo judicial contra a AstraZeneca pelo atraso na entrega de doses de sua vacina contra covid-19 ao bloco.

De acordo com a revista Político, que cita como fontes cinco diplomatas não identificados da União Europeia, a Comissão levantou esta iniciativa em uma reunião de embaixadores na última quarta-feira, 21.

De acordo com a publicação, a maioria dos países da UE disse que apoiaria processar a empresa, uma vez que ela não teria cumprido o cronograma de entregas acordado com os estados-membros. Um diplomata esclareceu que o objetivo do processo é tornar obrigatório que a AstraZeneca forneça as doses estabelecidas em seu contrato com o bloco.

Dois participantes da reunião revelaram ainda que havia um prazo até o fim desta semana para a realização das entregas. A partir de então, os países da UE devem aprovar o início do processo judicial.

Atraso na entrega de vacinas

A AstraZeneca tem provocado a ira da União Europeia desde janeiro, quando alegou que não poderia entregar a quantidade de doses com a qual havia se comprometido inicialmente.

No fim do primeiro trimestre de 2021, a empresa entregou 30 milhões de doses para os países da UE, em vez dos 100 milhões prometidos em seu contrato com autoridades europeias. 

A empresa projetou, então, que entregaria cerca de 70 milhões de doses até o fim do segundo trimestre, quando na verdade deveria entregar todas as 300 milhões de doses previstas no contrato com a UE, de acordo com a publicação.

A escassez decorrente dos atrasos prejudicou gravemente as campanhas de vacinação em países do bloco./EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.