Andrew Testa / The New York Times
Andrew Testa / The New York Times

União Europeia prevê negociações difíceis com Reino Unido após o Brexit

Tratativas que começam na segunda-feira podem fracassar caso Londres não garanta a fronteira irlandesa, alerta o bloco

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2020 | 05h00

BRUXELAS - A União Europeia disse que as negociações sobre os laços pós-Brexit com o Reino Unido começarão na próxima segunda-feira, dia 2, mas alertou que o processo seria “muito difícil” e poderá fracassar se Londres não garantir a fronteira irlandesa conforme acordado anteriormente.

 O Reino Unido deixou a UE em 31 de janeiro, após mais de três anos de tortuosas conversas sobre divórcio, muito complicadas pelas sensibilidades ao redor da fronteira irlandesa, a única linha terrestre entre o bloco e o Reino Unido agora e com um passado de violência.

Com os dois lados conversando duramente antes das negociações, a Irlanda alertou que mesmo um acordo comercial básico seria impossível até o final deste ano se Londres não honrar os compromissos relacionados à fronteira no seu acordo de saída do bloco europeu.

"Se não houver progresso na infraestrutura necessária  nos próximos meses, esse será um sinal muito preocupante para a possibilidade de concluir ou não algo sensato antes do final do ano", disse o ministro das Relações Exteriores da Irlanda, Simon Coveney, a repórteres em Bruxelas na terça-feira.

 "Se isso não acontecer, prejudicará significativamente as perspectivas de conseguir um acordo de comércio básico até o final do ano."

 Essa mensagem foi reforçada pelo negociador da UE para o Brexit, Michel Barnier, que também disse que a primeira rodada de negociações acontecerá em Bruxelas da próxima segunda a quinta-feira, seguida por uma segunda rodada em Londres no final de março.

 O governo britânico disse que irá publicar suas próprias linhas de negociação para as negociações da UE na quinta-feira.

"O principal objetivo do Reino Unido nas negociações é garantir que restauremos nossa independência econômica e política em 1º de janeiro de 2021", disse o porta-voz do primeiro-ministro Boris Johnson em um comunicado, referindo-se ao período de transição.

O ministro das Relações Exteriores holandês, Stef Blok, disse: “A pressão do tempo é imensa, os interesses são enormes, é um tratado muito complicado, portanto será um trabalho muito duro”. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.