União Europeia proíbe investimentos no setor petrolífero da Síria

Novas sanções contra país incluem congelamento de bens e proibição de vistos

EFE

23 Setembro 2011 | 10h07

BRUXELAS - A União Europeia (UE) proibiu nesta sexta-feira, 23, os investimentos no setor petrolífero sírio, assim como a entrega de notas e moedas sírias fabricadas na região ao Banco Central de Damasco, em resposta à contínua repressão contra os protestos democráticos no país.

 

Veja também:

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

A UE aprovou nesta sexta-feira novas sanções contra a Síria e incluiu na lista de congelamento de bens e proibição de vistos para duas novas pessoas e outras seis entidades consideradas ou responsáveis pela repressão, ou colaboradoras.

 

 

Estas medidas "são necessárias", visto que o regime sírio ignorou os pedidos internacionais para cessar a repressão, libertar os manifestantes detidos e iniciar um diálogo nacional, disse a chefe da diplomacia da UE, Catherine Ashton, em comunicado.

 

O embargo ao investimento em empresas sírias do setor petrolífero afetará a prospecção, produção e refino, tanto dentro como fora da Síria.

 

As empresas do bloco europeu não poderão adquirir participações em companhias sírias do setor nem formar entidades conjuntas com as mesmas. Os créditos e empréstimos financeiros também estão incluídos no embargo.

 

A proibição de investir no setor petrolífero sírio se soma ao veto da UE às importações de petróleo procedente desse país, que entrou em vigor em 3 de setembro, e pode afetar várias empresas europeias que têm negócios em território sírio.

 

Ashton advertiu ainda que a União Europeia estudará novas sanções conforme a necessário.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.