AP Photo/Amel Emric
AP Photo/Amel Emric

União Europeia propõe estender por seis meses os controles internos da área de Schengen

Medida visa tentar conter a chegada de imigrantes ilegais pois Comissão Europeia considera que ainda há deficiências nos controles das fronteiras exteriores da Grécia

O Estado de S. Paulo

04 Maio 2016 | 13h11

BRUXELAS - A Comissão Europeia propôs nesta quarta-feira,4, estender por seis meses os controles internos temporários que já são aplicados na Alemanha, Áustria, Suécia, Dinamarca e Noruega para conter a chegada de imigrantes ilegais, por considerar que ainda existem deficiências nos controles das fronteiras exteriores da Grécia.

O Executivo comunitário destacou que os gregos alcançaram "um progresso significativo", mas que não conseguiram corrigir todas as "sérias deficiências" detectadas no prazo de três meses que Bruxelas havia estabelecido.

A Comissão recomendou ao Conselho da União Europeia que os cinco países mantenham os controles internos.

No caso da Áustria, os controles afetam sua fronteira terrestre com a Hungria e com a Eslovênia, enquanto para a Alemanha se trata da fronteira terrestre com o território austríaco.

A Dinamarca, por sua vez, poderá manter os controles em seus portos com conexões de balsa para a Alemanha e em sua fronteira terrestre com o país.

Os controles na Suécia afetam os portos nas regiões sul e oeste e a ponte de Öresund, enquanto no caso da Noruega, os portos afetados são aqueles com conexão de balsa com Dinamarca, Alemanha e Suécia.

As medidas fazem parte das regras previstas no código de fronteiras de Schengen para circunstâncias excepcionais e, segundo a Comissão Europeia, servem de salvaguarda para garantir o funcionamento global da área de livre circulação, uma das principais conquistas da integração comunitária.

O objetivo da Comissão é retornar ao funcionamento normal do espaço Schengen no final do ano. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.