Henry Nicholls / Reuters
Henry Nicholls / Reuters

União Europeia prorroga Brexit até 31 de janeiro

Decisão prevê que o Reino Unido pode sair antes, no fim de novembro, dezembro ou janeiro, desde que a ratificação tenha sido concluída

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2019 | 06h38
Atualizado 28 de outubro de 2019 | 09h49

BRUXELAS - A União Europeia (UE) aprovou nesta segunda-feira, 28, uma prorrogação "flexível" da data do Brexit até 31 de janeiro, anunciou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

"Os 27 (sócios do Reino Unido na UE) concordaram em aceitar a solicitação do Reino Unido de um adiamento flexível do Brexit até 31 de janeiro", escreveu Tusk no Twitter, horas antes de uma votação no Parlamento britânico sobre a demanda de eleições antecipadas.

A decisão, que deve ser formalizada por "escrito", prevê que o Reino Unido pode sair antes, no fim de novembro, dezembro ou janeiro, desde que a ratificação tenha sido concluída, segundo o rascunho do texto.

O tratado afasta a possibilidade de um Brexit sem acordo no dia 31 de outubro, uma das exigências dos opositores britânicos para apoiar a demanda do primeiro-ministro Boris Johnson de celebrar eleições antecipadas em 12 de dezembro.

Os europeus recordam na decisão sua recusa em retomar as negociações sobre o acordo do divórcio, concluído com Johnson em 17 de outubro, e a necessidade para o Reino Unido de apresentar um candidato a comissário europeu ao continuar como integrante do bloco.

Discussões no fim de semana

O negociador europeu Michel Barnier se declarou muito feliz com a decisão adotada pelos embaixadores, que deve ser aprovada por Londres antes que a UE a formalize por escrito, explicou uma fonte europeia.

Para Entender

A cronologia do Brexit

Decisão de sair da União Europeia deixou os britânicos com a tarefa de conduzir o processo sem fazer um rompimento brusco; relembre

Na sexta-feira, os embaixadores decidiram adiar sua decisão sobre a prorrogação e aguardar a votação em Westminster sobre as eleições antecipadas solicitadas pelo premiê.

Os contatos, no entanto, prosseguiram durante o fim de semana. Johnson conversou no domingo com o presidente francês, Emmanuel Macron, que nos últimos dias teve a posição mais crítica na UE sobre um adiamento prolongado.

"As condições da extensão foram detalhadas e reforçadas, especialmente sobre o caráter não renegociável do acordo", afirmou uma fonte diplomática francesa pouco antes do anúncio do tratado sobre o adiamento.

Eleições em dezembro

A aprovação do terceiro adiamento do Brexit pode ajudar o primeiro-ministro britânico a obter o apoio da Câmara dos Comuns para sua demanda por eleições legislativas antecipadas, para 12 de dezembro.

O líder trabalhista Jeremy Corbyn havia exigido o afastamento do cenário de um Brexit sem acordo, temido pelo setor econômico, no dia 31 de outubro, para apoiar a votação antecipada, que precisa dos votos de dois terços da Câmara.

Os liberal-democratas e os nacionalistas escoceses, também na oposição, anunciaram a intenção de propor uma emenda para convocar eleições para 9 de dezembro, no caso de um adiamento do Brexit para janeiro.

Se a ideia prosperar, os dois partidos impediriam que Johnson aprovasse a lei sobre o acordo do Brexit antes da dissolução do Parlamento, um cenário desfavorável para um primeiro-ministro decidido a retirar o país da UE. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.