Yves Herman/Reuters
Yves Herman/Reuters

União Europeia reabre fronteiras para 15 países; Brasil e EUA permanecem com restrições

Bloco europeu tenta oxigenar a economia, principalmente o setor do turismo, após a pandemia do novo coronavírus

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2020 | 10h05

A União Europeia (UE) reabriu suas fronteiras para visitantes de 15 países nesta quarta-feira, 1º, em mais uma etapa de flexibilização após os membros do bloco ultrapassarem o pico da pandemia do novo coronavírus. No entanto, Brasil e Estados Unidos seguem fora da lista, em razão do avanço da doença nos países.

A lista de países considerados suficientemente seguros para permitir que seus residentes entrem na UE deixa de fora Reino Unido, Rússia, Brasil e Estados Unidos, onde o número de mortes superou na terça-feira, 30, 1 mil vítimas pela primeira vez desde 10 de junho. O único país latino-americano da relação é o Uruguai.

No caso da China, viajantes procedentes do país onde o vírus surgiu no fim do ano passado, só poderão entrar no bloco se Pequim aplicar medida de reciprocidade e abrir suas portas aos residentes na UE.

Os Estados Unidos lideram a lista de países mais afetados pela pandemia, com mais de 127 mil mortos e quase 2,63 milhões de contágios, seguido pelo Brasil (mais de 59 mil mortes e mais de 1,4 milhão de casos). Mais de 511 mil pessoas faleceram no mundo desde o surgimento da doença, de acordo com um balanço da agência de notícias francesa AFP.

Anthony Fauci, especialista americano em doenças infecciosas, afirmou que os Estados Unidos podem alcançar 100 mil casos diários se persistir a tendência atual. Vários Estados do país anunciaram 14 dias de quarentena aos viajantes de outras localidades para tentar conter a contaminação.

Reabertura pela economia

O bloco europeu espera que a flexibilização das restrições leve oxigênio ao turismo, setor asfixiado pela proibição das viagens não essenciais desde meados de março. Nesta quarta-feira, 1º, hotéis e restaurantes receberam os primeiros turistas nas ilhas da Grécia, país que registrou 200 mortes provocadas pela covid-19 e que viu sua economia muito abalada pelas medidas de confinamento.

Romanian Cojan Dragos foi o "primeiro turista" em um hotel de Corfu. "Temos o hotel inteiro para nós. Está vazio, os restaurantes e lojas estão fechados, é triste", declarou à AFP, na expectativa para a chegada de outros visitantes.

Espanha e Portugal reabriram a fronteira terrestre, fechada desde 16 de março, quando Lisboa decidiu proteger seu território da pandemia que avançava em ritmo acelerado no país vizinho.

Portugal é um dos países menos afetados da Europa pela pandemia (1.576 mortes e 42.141 casos confirmados), enquanto a Espanha é um dos mais atingidos (28.355 mortos e mais de 248 mil casos)./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.