União Européia volta a criticar governo de Cuba

O Parlamento Europeu condenou a situação dos direitos humanos em Cuba e insistiu que o presidente Fidel Castro liberte os prisioneiros políticos. Os legisladores europeus aprovaram uma resolução conjunta que crítica a "constante e flagrante violação dos direitos humanos, civis e políticos da liberdade fundamental dos membros da oposição e de jornalistas independentes". Desde 1993, a União Européia destinou a Cuba US$ 156 milhões. Já a Sociedade Internacional de Imprensa (SIP) expressou sua preocupação com os jornalistas independentes recentemente sentenciados a longas penas. Três jornalistas presos na prisão de Boniato, na cidade de Santiago de Cuba, começaram dia 31 de agosto uma greve de fome. O presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa, Rafael Molina, diz que a SIP teme o "ambiente de tensão" nas prisões cubanas, onde os presos políticos estão. "Tememos pela integridade física dos jornalistas e responsabilizamos as autoridades cubanas pelo que possa vir acontecer a eles", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.