Jonathan Capehart/ The Washington Post
Jonathan Capehart/ The Washington Post

Única deputada a votar contra a guerra do Afeganistão foi chamada de traidora e precisou de escolta

Ainda deputada pela Califórnia, Barbara Lee foi o único voto contrário a autorização ampla e ilimitada ao uso de força militar pelo presidente George W. Bush, em 2001; a votação da Câmara foi de 420 a 1, no Senado, 98 a 0

Gillian Brockell, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2021 | 10h00

A deputada Barbara Lee sofria para decidir seu voto até aquela manhã, quando a democrata da Califórnia ouviu a oração de um dos clérigos mais proeminentes do país.

Três dias depois dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, como quase todos os outros membros do Congresso, ela estava participando de um funeral na Catedral Nacional de Washington. Na invocação de abertura, o decano da catedral, o reverendo Nathan Baxter, disse: "Oremos também por sabedoria divina enquanto nossos líderes consideram as ações necessárias para a segurança nacional, sabedoria da graça de Deus, que enquanto agimos, não se torne o mal que deploramos."

Quando ela o citou no plenário da Câmara mais tarde, naquele mesmo dia, para explicar seu voto contra dar ao presidente George W. Bush uma autorização ampla e ilimitada para uso da força militar, ela foi chamada de terrorista, traidora e quase pérfida. A votação da Câmara foi de 420 a 1. A votação do Senado foi de 98 a 0.

Vinte anos, inúmeras vidas e mais de um trilhão de dólares depois, conforme o governo Joe Biden encerra o conflito mais longo da história dos Estados Unidos, muitos estão olhando novamente para o voto solitário de Lee contra a medida que deu ao presidente poder quase ilimitado para travar a guerra no Afeganistão ou contra qualquer outra pessoa envolvida ou abrigando terroristas.

Então senador, Joe Biden votou a favor. O mesmo aconteceu com o deputado Bernie Sanders, que mais tarde se tornou um dos maiores críticos das guerras no Iraque e no Afeganistão. O deputado John Lewis, democrata da Geórgia, há muito conhecido como um ativista que acreditava na não-violência, votou a favor também - embora ele parecesse se arrepender quase imediatamente, dizendo ao The Washington Post que ele estava "provavelmente 99% convencido em meu coração e em minha alma", mas que ele "queria enviar a mensagem mais forte possível de que não podemos deixar o terrorismo permanecer".

Lee disse mais tarde que ficou surpresa ao perceber que era a única representante no Congresso a votar contra, e isso é evidente em seu discurso no plenário da Câmara, explicando sua decisão.

"Por mais difícil que seja essa votação, alguns de nós devemos insistir no uso de moderação. Nosso país está de luto. Alguns de nós devem dizer: 'Vamos recuar por um momento, vamos apenas fazer uma pausa, apenas por um minuto, e pensar nas implicações de nossas ações hoje, para que isso não saia do controle'."

"Alguns de nós" acabaram sendo apenas ela.

A reação ao seu voto foi furiosa, refletindo as fortes emoções do dia. O The Wall Street Journal a chamou de "liberal sem noção" e perguntou se ela era antiamericana. O The Washington Times a chamou de "uma apoiadora de longa data dos inimigos da América". Os telefones em seu escritório foram desligados depois de uma inundação de ligações, escreveu o The Washington Post, e ela recebeu tantas ameaças de morte que por um tempo teve uma equipe policial protegendo-a.

Ela também recebeu milhares de cartas, tanto de apoio quanto de oposição, que agora estão no acervo do Mills College. Em 2014, o jornalista Conor Friedersdorf, do The Atlantic, examinou duas das 12 caixas de cartas e encontrou comentários como estes:

"Você deveria ter estado no World Trade Center, sua antiamericana [palavrão]. Caia morta!!!"

"Você esperava ser a única pacifista em um mar de guerreiros? Nesse caso, você errou o alvo. Você ficará na história como a única covarde em um mar de legisladores corajosos."

"Você é uma cadela. Nem mesmo uma cadela americana, uma vira-lata preta."

"Em relação à sua dissidência solitária, os terroristas usaram Deus como desculpa. É verdade que 'Deus' ajudou você a tomar sua decisão também? Parabéns por usar a mentalidade terrorista!"

"Você não está sozinha no mal - você está com Bin Laden, Hitler e Judas."

Lee passou semanas explicando seu voto em artigos de opinião e entrevistas. Ela não era pacifista, disse ela, e não era contra a reação do presidente George W. Bush aos ataques terroristas com força militar. Mas ela achava que era uma abdicação do poder do Congresso de declarar guerra, e ela não queria dar a um presidente um "cheque em branco" para começar uma guerra sem meta fixa ou data de término.

Ela citou os senadores Wayne Morse (democrata do Oregon) e Ernest Gruening (democrata do Alaska), os dois legisladores que votaram contra a Resolução do Golfo de Tonkin de 1964, que deu ao presidente Lyndon B. Johnson amplos poderes para travar a guerra no Vietnã. Ela citou Morse, que disse: "Acredito que a história registrará que cometemos um grave erro ao subverter e burlar a Constituição dos Estados Unidos".

"O senador Morse estava certo e temo que cometamos o mesmo erro hoje", disse ela.

À medida que se aproximava a votação para entrar na Primeira Guerra, a única mulher no Congresso enfrentou uma escolha agonizante.

Outros a compararam de maneira indelicada a Jeannette Rankin, a congressista de Montana que foi a única pessoa que votou contra o envolvimento militar dos EUA em ambas as guerras mundiais. A interpretação mais caridosa foi que Rankin e Lee estavam "confusas".

Muitos presumiram que a carreira de Lee estava encerrada, mas, ela disse ao The Washington Post, "não foi uma votação baseada em pesquisas". Na verdade, ela foi reeleita no ano seguinte e continua sendo a congressista que representa partes de Oakland e Berkeley.

Ao longo das décadas, Lee não vacilou, apresentando repetidamente uma legislação para revogar a autorização de 2001. A revogação foi aprovada na Câmara em junho de 2019 como parte de um projeto de lei de apelação, mas não foi aprovada no Senado. Em junho deste ano, Lee bancou um projeto de lei para revogar uma autorização semelhante de 2002 usada para dar luz verde à guerra no Iraque. Foi aprovada na Câmara por 268 a 161 em uma votação bipartidária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.