Unicef diz que crianças dos EUA e Reino Unido não vivem bem

As crianças da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos têm o pior índice de bem-estar entre as dos países industrializados, revelou um estudo divulgado nesta quarta-feira pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).As duas nações são as últimas em um ranking que envolve os 21 países mais ricos do mundo.O Unicef mostrou que a apenas riqueza de um país não assegura um bom posicionamento no ranking. Diversas nações que possuem a renda é menor aparecem em posições melhores que outras. Em geral, os países do norte da Europa lideram o estudo. A Grã-Bretanha aparece em último lugar, pouco atrás dos Estados Unidos.Para elaborar o ranking, o Unicef baseou-se em seis quesitos: bem-estar material, saúde e segurança, educação, relação com colegas e familiares, comportamentos e riscos e a sensação subjetiva de bem-estar das crianças.Os EUA aparecem em último lugar no quesito saúde e segurança, medido pelos índices de mortalidade infantil, nascimentos abaixo do peso, imunização e mortes por acidentes e ferimentos.Por sua vez, a Grã-Bretanha é a pior no quesito relacionamentos com colegas e parentes, medido pelo número de famílias com pais separados e pela quantidade de vezes que as famílias fazem juntas a principal refeição do dia.A Grã-Bretanha também ficou em último lugar no que diz respeito a comportamentos e riscos, que engloba crianças que tomam café da manhã, estão acima do peso, usam drogas, consomem bebidas alcoólicas ou são sexualmente ativas.O governo britânico alega que os dados utilizados pelo Unicef estão ultrapassados e que o fundo não levou em consideração recentes melhoras nos padrão de educação, moradia e saúde. Alguns dados são de 2000 ou 2001.Na outra ponta do ranking, a Holanda aparece na primeira colocação, ficando entre os dez melhores países para uma criança viver nas seis categorias estudadas. Suécia, Dinamarca e Finlândia completam os primeiros lugares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.