Unicef teme pela vida e pelo futuro de crianças no Iraque

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) considerou impossível prever quantas crianças morrerão no Iraque, caso os Estados Unidos ataquem o país. Segundo Carol Bellamy, diretora-geral do Unicef, o número de vítimas entre a população infantil "dependerá de quanto durará a guerra e do alcance de suas conseqüências na infra-estrutura civil".No entanto, Bellamy afirmou que "os dias e as semanas futuros serão extremamente difíceis para as crianças iraquianas".Em uma declaração, Bellamy enumerou as intervenções efetuadas pelo Unicef no Iraque, onde além das 400.000 crianças malnutridas que são atendidas pela organização humanitária das Nações Unidas há outras 600.000 precisando de ajuda.Carel De Rooy, representante da Unicef para o Iraque, que chegou hoje à Jordânia proveniente de Bagdá, também advertiu para o fato de que as crianças iraquianas "se encontram diante de muitos perigos"."Por experiência, sabemos o quanto a guerra é prejudicial para o estado emotivo das crianças, seu sentido de segurança e de confiança. Traumas que se ampliam quando as crianças são obrigadas a abandonar a escola. Por tais razões, estamos muito preocupados com as conseqüências a longo prazo nas crianças, assim como o estamos por sua segurança imediata", afirmou De Rooy. O noticiário até 18/3/2003Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.