Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Único neto de Mao Tsé-tung estréia na política

Mao Xinyu assinalou que suas propostas giram em torno da melhora do armamento do Exército chinês

EFE,

08 de março de 2008 | 05h06

Mao Xinyu, neto do fundador do regime comunista chinês Mao Tsé-tung, estreou esta semana como político, na qualidade de membro da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPCh), órgão assessor do Governo e que celebra sua sessão anual no Grande Palácio do Povo. Xinyu, de 38 anos e único neto de Mao Tsé-tung, transformou-se em um dos personagens mais fotografados e procurados pelos jornalistas que cobrem as duas semanas de sessões anuais da CCPPCh e a Assembléia Nacional Popular (ANP, Legislativa). Por ser coronel do Exército chinês, Xinyu comparece às reuniões usando um traje militar. Ele foi abordado por dezenas de repórteres chineses e se sentiu incomodado de dar entrevista, segundo reconheceu o jornal "South China Morning Post". A CCPPCh, o "quarto poder" no sistema comunista chinês, reúne em seu seio todos os tipos de personalidades do país, de cientistas a artistas ou desportistas, muitos deles nomeados assessores como título meramente honorário. Estes assessores elaboram nos dias de sua sessão milhares de propostas de leis que são entregues à ANP para que considere se é idôneo ou não elaborar leis relativas. Mao Xinyu assinalou que suas propostas deste ano giram em torno da melhora do armamento do Exército chinês, e citando a seu avô assegurou aos jornalistas que "foi uma sábia decisão do presidente Mao impulsionar o desenvolvimento tecnológico através da melhora da defesa". Xinyu substitui no cargo de assessor governamental sua mãe, Shao Hua, nora de Mao, que com 69 anos é a atual presidente da Associação de Fotógrafos Chineses. O filho de Mao Tsé-tung e pai de Xinyu, Mao Anqing, um especialista em língua russa praticamente desconhecido para a maioria dos cidadãos chineses, morreu em 2007, aos 84 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.