Uniões reais que entraram para a história

Cerimônias, que incluem a de Grace Kelly, Diana e a brasileira Silvia Renate, são lembradas pelo luxo e as excentricidades

Rose Saconi, O Estado de S.Paulo

30 Abril 2011 | 00h00

O casamento do Príncipe Charles e Lady Diana, há quase 30 anos, foi o primeiro matrimônio da realeza transmitido ao vivo pela televisão. A união do primogênito do casal, William, com Kate Middleton foi transmitida na internet em tempo real. A cerimônia entrou para o hall dos casamentos reais que marcaram a história. Conheça os outros:

Do cinema para o castelo. O casamento da estrela de Hollywood Grace Kelly com o príncipe Rainier de Mônaco, em 1956, é conhecido como o "acontecimento do século". A nova princesa usou um vestido feito com 25 metros de seda, bordado com pérolas e flores de laranjeiras. Na recepção, os noivos cortaram o bolo de casamento de seis andares com a espada do príncipe.

Rainha brasileira. Carlos Gustavo, herdeiro do trono sueco, conheceu a intérprete Silvia Renate Sommerlath, filha de empresários alemães criada no Brasil, nos Jogos Olímpicos de 1972. No casamento, em 1976, a futura rainha vestiu um modelo da Maison Dior, de Paris.

Conto de fadas. Em 29 de julho de 1981, o mundo parou para assistir ao casamento do herdeiro do trono britânico, príncipe Charles, com a professora Diana Spencer. A luxuosa cerimônia realizou-se na catedral Saint Paul e contou com a presença de 3.500 convidados. Diana vestiu um modelo clássico de mangas bufantes, babados e uma cauda em seda de dez metros de comprimento, da estilista francesa Catherine Wlaker. A família real britânica gastou US$ 49 milhões.

O primeiro do milênio. O príncipe herdeiro da Noruega, Haakon, casou-se em 2001 com a plebeia Mette-Marit Tjessem Hoiby, numa cerimônia para 800 convidados. A catedral foi decorada com 10 mil rosas e o palácio real com 5.500 rosas e 70 metros de grinaldas. Nas ruas, 120 mil moradores de Oslo acompanharam o cortejo dos noivos.

A argentina e o príncipe. Em 2002. o príncipe Guilherme, da Holanda, casou-se com a argentina Máxima Zorreguieta. O vestido foi desenhado por Valentino. A festa para 1.600 convidados não incluía os pais da noiva, que foram excluídos da lista por decisão do governo holandês, por causa da ligação do pai de Máxima, Jorge Zorreguieta, com a ditadura militar argentina.

Princesa australiana. Em 2004, o príncipe Frederik, herdeiro do trono da Dinamarca, casou-se com a advogada Mary Elizabeth Donaldson. Mary foi a primeira australiana a se tornar princesa. Em homenagem à noiva, a festa para 800 convidados contou com muita música e comida típica da Austrália.

Jornalista. Com toda a pompa e circunstância digna das famílias reais europeias, o príncipe de Astúrias, Felipe de Bourbon, herdeiro do trono espanhol, casou-se em 2004 com a jornalista Letizia Ortiz. O vestido escolhido, com detalhes em ouro, entrou para a história como um dos modelos mais bonitos

Renúncia ao título. Em uma discreta cerimônia para cerca de 30 pessoas, realizada em um hotel em Tóquio, a princesa Sayako, única filha do imperador japonês Akihito, renunciou ao título de nobreza ao casar-se com o funcionário do governo de Tóquio Yoshiki Kuroda em 2005. A princesa foi saudada por mais de 5 mil pessoas no curto trajeto entre o palácio e o hotel, mas câmeras de TV não puderam registrar a solenidade.

Carruagem de Cinderela. A catedral Storkyrkan (São Nicolau) de 400 anos, em Estocolmo, na Suécia, localizada no meio da Cidade Velha, foi a igreja escolhida pela princesa Victoria da Suécia para seu casamento com o personal trainer Daniel Westling, em junho do ano passado. Cerca de 1.200 convidados acompanharam a cerimônia. O casal desfilou pelas ruas da cidade, que foram decoradas em amarelo e azul, as cores do reino, na mesma carruagem usada pelos pais de Victoria quando se casaram. Ao todo, foram três dias de festa, tudo transmitido ao vivo pela emissora de TV pública do país.

Bodas na Grécia. Realizado numa paradisíaca ilha grega no ano passado, o casamento da suíça Tatiana Blatnik com o príncipe Nicolas, da Grécia, foi simples e elegante. O príncipe chegou ao local em um barco. A noiva, usando um lindíssimo vestido de renda com um longo véu, optou por uma carruagem. Como a igreja comportava pouco mais de 30 pessoas, foi colocado um telão do lado de fora para todos pudessem acompanhar a cerimônia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.