United Airlines define política em caso de guerra

Seguindo anúncios semelhantes feitos por outras companhias aéreas dos EUA no início desta semana, a United Airlines abrirá mão de penalidades aos clientes que alterarem seus planos de viagem em caso de um conflito militar. Em comunicado, a United disse que se iniciar uma guerra, a empresa não cobrará taxa aos clientes que optarem pelo adiamento da viagem e aplicará o valor total do bilhete não utilizado na aquisição de uma nossa passagem, sujeita à disponibilidade. Os clientes que escolherem o adiamento da viagem deverão contatar a United antes de sua saída programada anteriormente. Os clientes com bilhetes domésticos emitidos antes do início de um conflito militar poderão postergar sua viagem até 1 de setembro. Os clientes com passagens internacionais emitidas antes do início de um conflito militar podem adiar sua viagem até 31 de dezembro.A US Airways e a Delta Air Lines foram as primeiras a adotar essa medida. A American Airlines disse que acomodará os clientes que desejem modificar seus planos de viagem como resultado de uma guerra, ?porém políticas específicas serão determinadas uma vez iniciado o conflito?.

Agencia Estado,

07 de março de 2003 | 11h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.